Especialista explica relação entre o uso dos contraceptivos hormonais e a diminuição do desejo sexual nas mulheres

A utilização de contraceptivos hormonais ainda é vista, por algumas mulheres, como um grande dilema. Isso porque, o seu uso já foi associado a fatores que mexem com a autoestima e o psicológico da mulher, tais como: o ganho de peso, aparecimento de celulites e acnes, e, sobretudo, a diminuição da libido. De acordo com o ginecologista da Clínica Elsimar Coutinho, Luiz Carlos Calmon, a falta do desejo sexual acontece devido ao bloqueio do principal hormônio estimulante do sexo, a testosterona.

“Esses remédios por impossibilitarem a ovulação e fertilidade, também atrapalham a produção desse hormônio, que, diferente do homem, a mulher tem apenas o suficiente para uma boa resposta sexual, desde que bem estimulada. As que já possuem uma taxa baixa ou mediana, sentem, com a queda da testosterona, uma enorme diferença na hora do sexo”, explica.

Conforme o Dr. Carlos, quase todos os métodos hormonais, por bloquearem a ovulação podem interferir no desejo sexual da mulher. Visto que existem aqueles que são derivados da testosterona, como por exemplo, a gestrinona. “ O método mais antigo de uso desse hormônio são os implantes. Nós observamos nas pacientes que utilizam este contraceptivo uma resposta sexual melhorada”, relata o especialista. Sendo assim, esta disfunção pode ser corrigida através do tratamento hormonal à base da testosterona, que, por ser bioidêntico às moléculas deste hormônio no corpo das mulheres, é o mais indicado para esta finalidade.

Os anticoncepcionais com hormônios são considerados os mais seguros e podem trazer muitos benefícios à saúde feminina. O Dr. Carlos avalia como positivo os efeitos colaterais do uso contínuo desses tipos de medicamentos no organismo da mulher, uma vez que, diminuem o risco de câncer de ovário, da doença inflamatória pélvica, evitam as cólicas menstruais, controlam o desenvolvimento de doenças como a endometriose e miomas uterinos, além de darem uma certa estabilidade de humor na maioria das usuárias.

“Não há limite para o uso de contraceptivos hormonais. Exceto, se ocorrer alguma situação que indique sua interrupção, como uma trombose arterial ou venosa, ou ainda alguns tipos de cânceres. Fora isso, o uso pode ser feito até que elas venham a não precisar mais deles”, diz.

Embora os remédios anticoncepcionais com hormônios possam afetar a disposição sexual da mulher, existem também outros fatores que contribuem para essa perda da líbido, a questão emocional é uma delas . “A mulher é muito influenciada pelo meio e momento em que vive: filhos, trabalho, estresse e a própria pandemia, que levou muita gente a usar antidepressivo e outras drogas, tudo isso, em uma pessoa que já apresenta uma baixa testosterona, como as mulheres, causa a perda do desejo sexual”, comenta.

Porto Seguro: eventos só serão autorizados com comprovação de aquisição dos produtos no município

O prefeito de Porto Seguro, Jânio Natal, determinou na segunda-feira (22/02) ao setor de Concessões e Liberação de Alvarás para festas e eventos privados da gestão, que...

Simões Filho: Equipes seguem nas ruas fazendo valer o toque de recolher

A força-tarefa da Prefeitura de Simões Filho segue nas ruas, realizando rondas e blitz de fiscalização, fazendo cumprir o decreto estadual que define toque de recolher, das...

Brasileiros acreditam que inflação será de 5,3% nos próximos 12 meses

Consumidores brasileiros acreditam que a inflação oficial do país ficará em 5,3% nos próximos 12 meses. O resultado da pesquisa, realizada este mês pela Fundação Getulio Vargas...

Termina hoje prazo para adesão de universidades ao Sisu

Termina hoje (23) o prazo de adesão de instituições públicas de educação superior ao primeiro processo seletivo de 2021 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). A adesão...