Após pressão, governo Bolsonaro recua de arrocho salarial contra servidores estaduais e municipais

O deputado Afonso Florence (PT-BA), que articulou e encaminhou a maioria das votações pelo PT da PEC 186/2019, conseguiu garantir a promoção e a progressão de carreira para os servidores públicos estaduais e municipais. A votação, em 1º turno, aconteceu ontem (10/03), com obstrução de mais de 12 horas de partidos de oposição. O 2º turno acontece nesta quinta-feira (11/03).

“Estancar o arrocho salarial do funcionalismo, acenando para os profissionais de segurança, é bom, mas e os profissionais de educação? E os profissionais da saúde? E os servidores públicos, que estão agora cuidando da dona de casa, do trabalhador, à frente da pandemia, com um número expressivo de mortos?”, questionou o parlamentar, defendendo a autorização constitucional para as promoções e progressões de servidores públicos estaduais e municipais.

Florence ainda chamou à atenção para a tentativa da base do governo dar andamento à PEC, indicando uma solução parcial para os direitos trabalhistas retirados, acrescentando apenas um setor. “O Governo não pode propor aqui agora uma solução só para fazer maioria no plenário. Retire o arrocho salarial do setor de segurança, mas retire também da saúde, retire também da educação!”, insistiu Florence.

Associações e sindicatos de policiais pediram a exclusão da categoria do projeto original, mas não foram atendidos pelo Bolsonaro. Inclusive, o texto da PEC enviado à Câmara pelo Senado teve apoio do Palácio do Planalto com o voto favorável do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) contra a exclusão dos policiais.

Aspra e APPM esclarecem PEC de Bolsonaro que “fere de morte” os policiais