Pesquisadores encontram ‘superanticorpos’ contra covid-19 em escritor americano

O escritor John Hollis descobriu ter superanticorpos após participar de pesquisa com pacientes de Covid-19

Quando, em abril do ano passado, um amigo com quem divide apartamento foi diagnosticado com covid-19, o escritor americano John Hollis, de 54 anos, achou que ficaria doente. No entanto, Hollis não apenas não desenvolveu a doença, como descobriu possuir um superanticorpo que o impede de ser infectado, inclusive pelas mutações do novo coronavírus.

A descoberta não veio sem sustos. Segundo relatou à TV americana NBC, o escritoR chegou a deixar uma carta para o filho adolescente “caso as coisas desmoronassem muito rápido”. Com exceção de alguns problemas de sinusite – que, segundo declarou ao jornal da Universidade de Virgínia, atribuiu a alergias – ele nunca ficou doente.

Em julho, Hollis estava na Universidade George Mason, onde trabalha no setor de comunicação, quando comentou com o professor Lance Liotta, um médico e bioengenheiro da instituição, sobre o que tinha vivido meses antes. Liotta então o convidou para participar de um estudo sobre a doença, e o resultado foi impressionante. O resultado do teste mostrou que Hollis não só havia sido infectado pelo vírus, como havia desenvolvido superanticorpos contra a doença. “Meu queixo bateu no chão”, disse Hollis. “Tive que fazer (Liotta) repetir o que ele me disse pelo menos cinco vezes”, contou à NBC.

Em entrevista à BBC, o médico responsável pelo estudo explicou os anticorpos desenvolvidos por Hollis atacam diversas partes do vírus ao mesmo tempo e o eliminam rapidamente. Na maioria das pessoas, porém, os anticorpos que se desenvolvem para combater o vírus atacam as proteínas das espículas do coronavírus para que ele não infecte as células. O problema é que, em uma pessoa que entra em contato com o vírus pela primeira vez, demora certo tempo até que o corpo consiga produzir esses anticorpos específicos, o que permite que o vírus se espalhe.

Ainda de acordo com Liotta, mesmo se diluídos em 1 para mil, seriam capazes de matar 99% dos vírus ativos. “Nós coletamos o sangue de Hollis em diferentes momentos e agora é uma mina de ouro para estudarmos diferentes formas de atacar o vírus”, afirmou.

“A coisa toda foi surreal”, disse Hollis ao jornal da Universidade de Virgínia – onde frequentou a faculdade. “Fui escritor durante toda a minha vida e não poderia inventar essas coisas se quisesse”, finalizou.

Prefeitura de Porto Seguro lança o projeto “22 de Abril – Aniversário do Brasil”

A Prefeitura de Porto Seguro, no extremo sul da Bahia, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, lançará na próxima segunda-feira (19) a campanha de...

“Não descartamos nova manifestação”, diz Helio Ferreira ao cobrar homologação de acordo com rodoviários

Os rodoviários da CSN esperam há 14 dias a homologação do acordo com a Prefeitura de Salvador e até agora nada foi resolvido. Por conta disso o...

Bolsonaro ironiza a Covid-19: “Matou o mosquito da dengue”

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta sexta-feira (16/04), em tom de brincadeira, que a Covid-19 "matou o mosquito da dengue", sem apresentar provas. O político colocou em...

Aprenda a fazer um delicioso Bolo Vulcão

Alguns pratos caem no gosto das pessoas por serem gostosos ou por ser parte do um momento marcante, que fica na memória. No caso do Bolo Vulcão...