Neurologista destaca cuidados que pacientes com epilepsia devem ter durante pandemia

Especialista diz que, até o momento, doença não é um agravante para a Covid-19 e reforça importância da manutenção das medicações e da vacina

Em tempos de pandemia, todos têm que respeitar as medidas de distanciamento físico, uso de máscaras ehigienização das mãos. E isso não deve ser diferente para as pessoas que vivemcom epilepsia. O alerta é feito neste mês de março, quando a epilepsia ganha destaque com o Purple Day, Dia Mundial de Conscientização sobre a Epilepsia, em 26 de março.

“Felizmente, até o momento, não parece que os estes pacientes tenham um maior risco de contrair coronavírus ou de apresentar complicações graves”, explica o neurologista Humberto de Castro Lima, que integra a equipe do Hospital Cárdio Pulmonar. Por outro lado, ressalta que é preciso atenção aos cuidados.

“Primeiro, é importante manter uso correto das medicações, evitando, assim, o aparecimento de crises epilépticas. As pessoas com epilepsia também não devem ter receio de se vacinar e devemseguir o cronograma vacinação de sua cidade”, reforça o médico.

Humberto de Castro Lima destacaque é muito importante manter acompanhamento com o médico assistente nesse período. “E, hoje em dia, isso é possível inclusive sem sair de casa, utilizando recursos de telemedicina”, pontuou o neurologista.

Epilepsia

A epilepsia é uma doença neurológica crônica que afeta pessoas de todas as idades. Segundo a Associação Brasileira de Epilepsia (ABE), estima-se que 1,5% da população mundial tenha epilepsia, percentual que corresponde a cerca de 50 milhões de pessoas portandoa forma ativa da doença – termo que se refere a quem teve crise no último ano.

Ainda de acordo com a ABE, cerca de 10% da população mundial poderá ter alguma crise epilética ao longo advida. Cerca de 70% das pessoascom epilepsia seguem sem crise com o uso de apenas uma medicação. Para os 30%, podem ser necessárias outras medidas, como cirurgia ou uso de neuroestimuladores.

A característica mais marcante da doença são as crises epilépticas, que podem ocorrer de forma imprevisível e variada em função de tipos, causas e níveis de gravidade. As crises convulsivas também podem ser precipitadas por estresse, ansiedade, privação dosono, grandes alterações hormonais, cansaço físico, uso irregular ou suspensão abrupta de medicação.

Últimas Noticias

CLN tem vagas temporárias para período de final de ano

Com a chegada da alta estação e das festas de final de ano, há um aumento de fluxo na...