Com mais de 1 ano de atraso, Bolsonaro publica decreto que cria comitê de combate à pandemia

Após mais de um ano da Covid-19 no país, Jair Bolsonaro resolveu criar o Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19. Antes da tarde do que nunca, já dizia o ditado. A decisão tardia foi publicada hoje (26/03) e o conselho terá duração de 90 dias, podendo ser prorrogado. A medida foi assinada na tarde de quinta-feira (25) pelo presidente.

O comitê é uma instância de discussão entre os poderes da República e os estados para articulação de medidas de combate à pandemia no âmbito nacional, bem como no enfrentamento dos problemas econômicos, fiscais, sociais e de saúde decorrentes dela. Um ano após o início da crise sanitária, a criação do órgão foi decidida durante uma reunião ampliada com diversas autoridades federais e locais e representantes de instituições, ocorrida na quarta-feira (24), no Palácio da Alvorada.

De acordo com o decreto, o comitê é composto pelo presidente da República, que o coordenará; pelos presidentes do Senado Federal; da Câmara dos Deputados; e, na condição de observador, por uma autoridade designada pelo presidente do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ministro Luiz Fux. Autoridades representantes de órgãos e entidades, públicos e privados, e especialistas de notório conhecimento poderão ser convidados a participar das reuniões.

O comitê também poderá criar grupos de trabalho para estudar e articular soluções para assuntos específicos relacionados à pandemia. Os integrantes do comitê e dos grupos de trabalho se reunirão, a critério de cada membro, presencialmente ou por videoconferência. O cronograma de reuniões ordinárias ainda será definido e poderão acontecer encontros extraordinários, sempre que solicitado por qualquer de seus membros. A secretaria executiva do colegiado será exercida pelo Ministério da Saúde.
Ações

Após a reunião da última quarta-feira, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, explicou que fará a coordenação com os governadores dos estados e do Distrito Federal, recebendo as demandas e encaminhando ao comitê. De acordo com Pacheco, o comitê será um grupo permanente de trabalho e sem delegação por parte dos presidentes do Executivo e do Legislativo, com o objetivo de definir políticas nacionais uniformes.

O Judiciário terá um representante observador pois não pode, por força de lei, participar de comitês dessa natureza. Ainda assim deverá atuar para que haja um controle prévio da constitucionalidade das medidas que serão adotadas, evitando a judicialização das decisões.

Também deverá ser criado, no âmbito do Ministério da Saúde, uma assessoria científica para discussão das melhores práticas de assistência à saúde. Além disso, a pasta trabalhará em protocolos para tratamento de pacientes.

Devem haver ainda ações no campo diplomático, com o objetivo de buscar parcerias com outros países e com empresas e instituições de pesquisa científica.

Depósito de drogas é localizado em Feira de Santana

Cocaína, maconha, embalagens e balanças foram apreendidas em um imóvel abandonado, no bairro Mangabeira. Equipes da 2ª DT também flagraram um casal de traficantes em Feira VII Policiais...

Toque de recolher é antecipado nas regiões de Guanambi e Brumado

A restrição de locomoção noturna será antecipada nas regiões de Guanambi e Brumado a partir desta quarta-feira (14). A permanência e o trânsito em vias, equipamentos, locais...

Assaltante pego com a boca na botija em Barreiras

O homem foi encontrado no estabelecimento, em Barreiras, por guarnições da 84ª CIPM, na noite de segunda-feira (12). Equipes da 84ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM) localizaram...

Olavo de Carvalho é hospitalizado nos EUA por problemas respiratórios

Nesta terça-feira (13), o escritor Olavo de Carvalho foi internado às pressas em um hospital de Richmond, no estado de Virginia, nos Estados Unidos, com problemas respiratórios. A...