Lídice propõe audiência para debater impactos da pandemia nos festejos juninos

Foi aprovado nesta terça-feira (30/3), pela Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados, o requerimento REQ 26/2021, de autoria da deputada Lídice da Mata (PSB-BA), para a realização de audiência pública para debater os impactos econômicos da pandemia do coronavírus sobre as tradicionais Festas Juninas, especialmente no Nordeste brasileiro, e soluções para mitigar esses impactos. Hoje, há grandes festivais espalhados pelo Brasil, tanto no Rio de Janeiro, por exemplo, que inclusive conta com o Centro Luiz Gonzaga de Tradições Nordestinas (mais conhecido como Feira de São Cristóvão), que estimula as práticas culturais dessa região ao longo de todo o ano, como em São Paulo, capital e interior, com tradicionais festejos, quermesses e concursos de quadrilhas. Até mesmo em Brasília, acontece, anualmente, o São João do Cerrado. No Nordeste, além do forte valor cultural e social, os festejos juninos também se destacam economicamente, tendo sido responsáveis por consolidar diversos municípios nordestinos como destino turístico que atraem anualmente milhares de pessoas de todos os cantos do País.

O São João, no Nordeste, movimenta a rede hoteleira, gera oportunidades de empregos, sustenta artistas locais e aumenta a arrecadação de impostos. Num cenário de crise – agravado pela pandemia – o São João ainda é uma oportunidade para empreendedores complementarem sua renda e garantirem o sustento de suas famílias para um ano inteiro.

Pesquisas do Ministério do Turismo indicam que o Nordeste é preferência de 42,7% dos brasileiros que planejam viajar no período de junho e julho. Com a pandemia, e a necessidade de cancelar os eventos por questões sanitárias, o ano de 2020 representou um forte baque para aqueles que mantêm laços econômicos, culturais e até mesmo afetivos com essa tradição.

A deputada argumenta que, neste ano de 2021, diante das incertezas sobre o calendário de vacinação e o aumento exponencial do número de óbitos e casos confirmados, é importante que a Comissão de Cultura possa se debruçar antecipadamente sobre o tema, não só para avaliar os impactos econômicos que serão enfrentados com a suspensão desses eventos, mas para buscar soluções para que os problemas possam ser mitigados.

Para a audiência, que ainda terá data a ser definida, foram convidados: Carlos Britto, dirigente da Confederação Nacional de Quadrilhas Juninas e presidente da Federação Baiana de Quadrilhas Juninas; Armando Barros Filho (Armandinho do Acordeon, representante dos artistas de Pernambuco; representante do Observatório da Economia Criativa da Bahia, que produziu pesquisa sobre os impactos da pandemia nos festejos juninos; Adelmario Coelho, representante dos artistas do São João da Bahia; Teo Santana, representante dos empresários de entretenimento; Júlio Pinheiro, prefeito de Amargosa (BA); e Joana Alves, da Associação Cultural Balaio Junino (Paraíba).

Pandemia pode manter níveis críticos ao longo de abril, diz Fiocruz

A manutenção da tendência de alta transmissão da covid-19 no Brasil na semana passada (4 a 10 de abril) indica que a pandemia pode permanecer em níveis...

Três maneiras simples de reduzir o inchaço

O inchaço pode ter muitas causas. Excesso de gases, prisão de ventre, retenção de líquidos, entre outros. Assim a algumas dicas para combater o sintoma: Não coma muito...

Prefeitura de Porto Seguro lança o projeto “22 de Abril – Aniversário do Brasil”

A Prefeitura de Porto Seguro, no extremo sul da Bahia, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, lançará na próxima segunda-feira (19) a campanha de...

“Não descartamos nova manifestação”, diz Helio Ferreira ao cobrar homologação de acordo com rodoviários

Os rodoviários da CSN esperam há 14 dias a homologação do acordo com a Prefeitura de Salvador e até agora nada foi resolvido. Por conta disso o...