Cooperativas da agricultura familiar avançam na conquista de mercados e faturam R$ 44,7 milhões

O cooperativismo na Bahia mostra sua força e relevância econômica e social, mesmo com cenário de crise gerado pela pandemia do coronavírus. Em 2020, somente 17 cooperativas da agricultura familiar somaram um faturamento de mais de R$ 44,7 milhões, garantindo renda direta a cerca de 5 mil famílias agricultoras, com a comercialização de produtos derivados do cacau, mandioca, umbu, caju, licuri, abacaxi, banana, café, milho, leite, além de pescados, caprinos e ovinos.

O resultado é reflexo dos investimentos do Governo do Estado, que proporcionaram as ferramentas necessárias, como apoio na base de produção e na gestão, agroindustrialização e acompanhamento técnico qualificado para que agricultores familiares de todas as regiões do estado produzissem alimentos e tivessem acesso a diversos segmentos do mercado.

Com isso, os produtos da agricultura familiar estão disponíveis em prateleiras e gôndolas de grandes e pequenas redes de supermercados de Salvador e do interior do estado, além de lojas de iniciativas próprias para venda direta e plataformas de comércio on-line. Já são mais de 2 mil produtos sustentáveis, orgânicos e veganos, certificados com Selo de Identificação de Produtos da Agricultura Familiar (SIPAF).

De acordo com o secretário da SDR, Josias Gomes, essa é a razão de ser dos investimentos do Governo do Estado na agricultura familiar, o faturamento dessas organizações: “Por um lado, mostramos para os agricultores a importância do cooperativismo, do associativismo, de outro, conseguimos produzir juntos alimentos de qualidade. Sem essa colaboração fundamental dos agricultores, sem a compreensão do cooperativismo e o incentivo do Governo do Estado, nós não estaríamos em um caminho tão emancipador da agricultura familiar, como estamos fazendo”.

Mercado de frutas desidratadas

Localizada na Chapada Diamantina, a Cooperativa de Pequenos Produtores de Abacaxi (Coopaita), de Itaberaba, registrou, em 2020, um faturamento de R$ 2,7 milhões. A cooperativa beneficia mais de 300 mil quilos de frutas desidratadas, como jaca e banana, e o carro-chefe é o abacaxi. Os produtos estão disponíveis em embalagens de 100 e 250 gramas e 1 quilo. As frutas são produzidas pelas 115 famílias associadas à Coopaita.

Na Coopaita, o governo estadual, por meio do Bahia Produtiva, projeto da Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR/SDR), está investindo R$2 milhões. Os recursos estão sendo aplicados na ampliação e modernização da unidade de beneficiamento para desidratação do abacaxi e em sistema de energia solar. Os agricultores também recebem assistência técnica e extensão rural (Ater).

Éder Cerqueira, gerente comercial da Coopaita, afirma que os recursos melhoraram a organização da produção e a comercialização: “Os investimentos vão além do que imaginávamos e os benefícios que aos poucos vêm trazendo são a melhoria da renda familiar, o crescimento do IDH e do PIB per capita. Pra este ano de 2021, a expectativa é que nosso faturamento cresça e chegue a R$3,5 milhões”.

O presidente da CAR, Wilson Dias, destaca que, entre as principais estratégias utilizadas para aumentar a receita das cooperativas, estão a inclusão do técnico especializado em gestão, plano de negócio participativo, aliança comercial com o setor privado, desenvolvimento de novos produtos, marca e rótulo, instituição do Selo de Identificação (SIPAF): “Uma prova de que o potencial das cooperativas da agricultura familiar sempre existiu, faltavam-lhes estímulo e instrumentos para impulsionar os resultados, os quais foram viabilizados pelo Bahia Produtiva”.

Milho não transgênicos como diferencial

Outra organização produtiva, que celebrou o faturamento em 2020, foi a Cooperativa Agropecuária Mista Regional de Irecê (Copirecê), responsável pela produção de Flocão Puro Milho, Mingau de Milho Verde, Mingau Multicereais, Mugunzá e Creme de Milho, reconhecidos por serem os únicos com milho não transgênico do estado. A Cooperativa produz em média 75 toneladas de milho por mês e conta com 600 cooperados. Em 2020, faturou R$3 milhões.

O Governo do Estado, por meio do projeto Bahia Produtiva, está investindo R$ 1,4 milhão na Copirecê, com ações de comunicação visual, embalagens, aquisição de máquinas e equipamentos e assistência técnica e extensão rural (Ater) para os agricultores.

Para a representante comercial da Copirecê, Vamary de Jesus, o apoio foi fundamental para que a Copirecê pudesse acessar novos nichos de mercado e melhorar os produtos, fortalecer as parcerias existentes, prospectar e fechar novos negócios: “Enquanto os produtores estão melhorando o produto lá na base e aumentando a produção, a cooperativa cresce na comercialização. Para este ano, a perspectiva é que fechemos o faturamento em R$4,5 milhões”.

Morre atriz Eva Wilma

A atriz Eva Wilma, 87 anos,  morreu neste sábado (15/05). Ela estava internada no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, e tratava um câncer de ovário. A artista...

Mulheres que atacaram 9 supermercados em Remanso são presas

Investigadores da Delegacia Territorial (DT/Remanso) prenderam, na sexta-feira (14), duas mulheres suspeitas de furtos em, pelo menos, nove estabelecimentos comerciais da cidade. Uma delas foi flagrada dentro...

Estudo investiga como começa e evolui o câncer de esôfago

Estudo inédito internacional sobre alterações epigenéticas de pacientes com câncer de esôfago constatou que os pacientes analisados, originários de diferentes regiões do mundo com alta incidência desse...

Cristo recebe iluminação para incentiva a vacinação contra a covid-19

O monumento do Cristo Redentor no Rio de Janeiro recebe, neste sábado (15), iluminação especial promovida pelo Movimento Unidos Pela Vacina. A ação, que acontecerá entre...