Requalificação do Museu Wanderley Pinho chega a 70%

As obras de requalificação do Museu do Recôncavo Wanderley Pinho já estão 70% prontas. A evolução dos serviços, que envolvem recuperação da edificação, restauração do acervo e do acesso por via marítima, foi acompanhada, nesta quinta-feira (15), pelo secretário de Turismo da Bahia, Fausto Franco, e pelo diretor-geral do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), João Carlos Oliveira, em visita técnica ao equipamento cultural localizado no distrito de Caboto, em Candeias. A ação integra o Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur Bahia), executado pelo Governo do Estado e financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

As intervenções de restauração e recuperação do museu, no valor de R$27 milhões, fazem parte de um conjunto de obras que estão sendo realizadas no entorno da Baía de Todos-os-Santos (BTS), o que resultará na requalificação do turismo náutico e cultural da maior baía do Brasil. A conclusão está prevista para o segundo semestre.

Ao percorrer a área do Wanderley Pinho, Fausto Franco ressaltou que esta obra “vai conversar com as demais obras realizadas ao entorno da BTS, gerando grande ganho para o turismo náutico, segmento que tem crescido muito, sobretudo neste momento de pandemia”. Fausto também lembrou a importância histórica e econômica da Baía, que era a via ligação entro o Recôncavo e a capital.

De acordo com João Carlos Oliveira, além de equipamento cultural importante, o Wanderley Pinho abrigará restaurantes, lanchonetes, miniconvention, cerimonial e salas multiuso que vão possibilitar a realização de grandes eventos, com até 500 pessoas, o que tornará o equipamento autossustentável.

Localizado no distrito de Caboto, município de Candeias, o Museu Wanderley Pinho é um importante equipamento cultural que conta a história do ciclo do açúcar a partir do século XVII, como destacou o historiador Francisco Senna, que acompanhou a vistoria. Ele lembrou que o estado foi um importante polo da economia do açúcar, sendo Salvador um entreposto, “mas a produção vinha toda do Recôncavo Baiano”.

Com um acervo de mais de 200 peças e achados arqueológicos que remontam ao ciclo do açúcar, o museu ocupa um casarão de quatro andares e 55 cômodos no antigo Engenho Freguesia, e inclui ainda uma capela. Tombado como patrimônio nacional pelo Iphan, a construção possui grande importância arquitetônica e cultural, sendo administrado pelo Ipac.

Participaram também da visita técnica o chefe gabinete do Ipac, Ackermann Yeddo; o comandante do 2º Distrito Naval, vice-almirante Humberto Caldas da Silveira Júnior; a deputada estadual Fabíola Mansur; o historiador e assessor especial da Setur, Rafael Dantas; o empresário Joacy Góis; e outros empresários parceiros.

Exposição virtual divulga trabalhos de artistas de Cajazeiras

Imagine conhecer obras de artistas de áreas periféricas de Salvador como se estivesse no próprio local da mostra, mas sem sair de casa, principalmente neste período de...

Simm oferece 76 vagas de emprego para sexta-feira em Salvador

O Serviço Municipal de Intermediação de Mão de Obra (Simm) disponibilizou 76 vagas de emprego para sexta-feira (7), em Salvador. Os interessados devem fazer agendar atendimento pela...

Óleo de coco no cabelo? Fique a par dos benefícios

Não, por vezes não precisa de um produto inacessível para tratar do seu cabelo. Devido à sua capacidade de hidratar, nutrir e prevenir a perda de proteína,...

Prodetur Bahia conclui formação da rede de empreendedores da Baía de Todos-os-Santos

Uma live na noite desta quarta-feira (5) marcou o encerramento do Projeto Rede de Turismo da Baía de Todos-os-Santos (RBTS), que reúne mais de 200 empreendedores da...