Solla cobra investigação de assassinatos supostamente ordenados por gerente de supermercado

O deputado federal Jorge Solla (PT-BA) cobrou da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) rigor nas apurações sobre o assassinato de dois homens que foram pegos supostamente furtando alimentos de um supermercado da rede Atakarejo, no bairro de Amaralina, em Salvador. Bruno Barros da Silva, 29 anos, e seu sobrinho, Ian Barros da Silva, 19, teriam sido entregues a traficantes por seguranças da empresa, conforme denunciado pelo site Informe Baiano.

“Esse crime hediondo e abominável precisa de rigorosa apuração e repercussão pública. Se mesmo a imprensa conseguiu ouvir funcionários da empresa que confirmam os relatos, a polícia precisa resolver com celeridade esse inquérito. Dois homens negros acusados de roubar carne por seguranças do mercado, que fotografaram ele com o suposto objeto roubado, foram assassinados horas depois. Isso é fato. O caminho entre esses fatos precisa ser elucidado. Vou cobrar isso junto a secretário de Segurança Pública”, disse Solla.

Os corpos foram encontrados na segunda-feira (26/04), na Polêmica de Brotas. Uma foto revelada com exclusividade pelo IB mostra as vítimas agachados em uma sala, ao lado dos pacotes de carne supostamente furtados. Outro registro, que viralizou nas redes sociais, mostra os homens sentados na localidade do Boqueirão, onde ocorreu o duplo homicídio.

Conforme testemunhas afirmaram ao IB, os seguranças entregaram as vítimas a traficantes da facção Comando Vermelho (CV).

Terceiro envolvido em suposto furto ao Atakarejo conseguiu fugir e segurança abriu porta para facção, diz testemunha

Foto mostra jovens negros detidos no Atakarejo antes de serem “entregues” para facção

Corpos encontrados em mala de carro na Polêmica de Brotas podem ser de vítimas do CV do Nordeste

Nota do Atakarejo

O Atakarejo é cumpridor da legislação vigente, e atua rigorosamente comprometido com a obediência às normas legais. Não compactua com qualquer ato em desacordo com a lei.

Especificamente em relação aos fatos questionados, tratam-se de fatos que envolvem segurança pública e que certamente serão investigados e conduzidos pela autoridade pública competente.