Fabricante da Sputnik V entrará com ação judicial contra Anvisa por espalhar informações falsas

Fabricante da vacina Sputnik V declarou nesta quinta-feira (29/04) que está iniciando uma reclamação legal por difamação contra a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) do Brasil por espalhar informações falsas sobre o inoculante russo.

Na segunda-feira (26/04), o vice-diretor de pesquisa científica do Centro Nacional de Pesquisa de Epidemiologia e Microbiologia Gamaleya, fabricante do imunizante, Denis Logunov, destacou que a Federação da Rússia realiza o controle de série de tudo que é produzido pelo Centro Gamaleya e por outros fabricantes.​

Ainda segundo Denis Logunov, nenhum controle tem informação de que a vacina possui adenovírus replicante, e a Anvisa não solicitou protocolos de controle de qualidade consolidados.

“Ou seja, não houve nenhuma discussão sobre […] conteúdo específico de partículas replicantes no medicamento. É importante dar atenção e dizer que a declaração que pelo menos eu vi na imprensa, com certeza, não tem nada a ver com a realidade”, afirmou Logunov.

“​Em resposta a notícias falsas que estão circulando a partir do relatório incorreto da Anvisa, um comunicado oficial do Instituto Gamaleya afirma que no Sputnik V E1 foi excluído e não há RCA presente. Também informamos a Anvisa sobre o assunto”, diz a empresa.

Nesta quinta-feira (29/03), o fabricante do imunizante citou em sua conta no Twitter as palavras do Gerente-Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes Lima Santos, que teria reconhecido que agência brasileira cometeu um erro.

Anvisa admite erro.

Gustavo Mendes, gerente de Medicamentos e Produtos Biológicos da Anvisa disse que “não recebemos amostras da vacina para teste […]. Então, precisa ficar claro, não fizemos teste para adenovírus replicado”​.

​Apesar da decisão da Anvisa de não recomendar a importação excepcional da vacina Sputnik V, o governo russo disse que continuará o diálogo sobre o imunizante com o Brasil.

Razões políticas

Na terça-feira (27/04), o Fundo Russo de Investimentos Diretos (RFPI, na sigla em russo) afirmou que acredita que a decisão da Anvisa de não aprovar a importação da vacina russa contra COVID-19 seja uma decisão política.

“A decisão da Anvisa de adiar o registro da Sputnik V pode ser motivada politicamente. Isso é confirmado pelos dados do relatório do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos de 2020, que fala abertamente dos esforços do departamento de pressionar as autoridades brasileiras e forçá-las a recusar a compra da vacina russa”, enfatizou o RFPI.

Sputnik no mundo

A vacina russa Sputnik V contra a COVID-19 foi o primeiro imunizante contra o novo coronavírus a ser registrado, em agosto de 2020. De acordo com resultados de estudos clínicos publicados em fevereiro na revista médica The Lancet, a Sputnik V tem eficácia de 91,6%.

A Sputnik V já foi aprovada em 60 países de diferentes continentes, com uma população de três bilhões de pessoas. O imunizante é o segundo com maior número de aprovações no mundo. Diversos países sul-americanos já aprovaram o imunizante, incluindo México, Argentina, Bolívia, Venezuela e Paraguai.

Segunda etapa da requalificação da Sabino Silva é iniciada

A Rua Professor Sabino Silva, uma das vias de acesso à orla de Salvador no trecho Barra/Ondina, será beneficiada com o início da segunda etapa das obras...

ONU pede investigação imparcial sobre operação no Jacarezinho

O Alto Comissariado da Organização das Nações Unidas (ONU) para Direitos Humanos, com sede em Genebra, na Suíça, pediu hoje (7) ao Ministério Público que realize uma...

Megaoperação em Tancredo Neves troca tiros com “bonde” e apreende mais de meio milhão em drogas

Por volta das 06h desta sexta-feira (07/05), na Rua Washington, foi deflagrada uma megaperação para combater uma quadrilha especializada em roubo a banco e tráfico de drogas....

Senado aprova penas mais duras contra crimes cibernéticos

O Senado aprovou hoje (5) o projeto que amplia penas por crimes de furto e estelionato praticados com o uso de dispositivos eletrônicos como celulares, computadores e...