Manifestações de pele podem ser indicativo de covid-19

Lesões na pele como púrpura, necrose e lesões vasculares podem ser indicativo de covid-19. É o que aponta a revisão sistemática de estudos científicos feita pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). O estudo mostra que manifestações cutâneas podem ser tanto indicativos como consequências da doença. “Algumas são como se fossem manifestações do vírus, com os outros sintomas gerais, como febre, por exemplo, e outras, principalmente as mais tardias, são consequência. São problemas da vascularização, da coagulação, e acabam acarretando sequelas na pele”, disse à Agência Brasil a assessora do Departamento de Medicina Interna da SBD, Camila Seque, responsável pela pesquisa.

Segundo os estudos, esses sintomas aparecem em 6% a 10% dos casos. De acordo com o documento, as lesões de pele podem surgir em até quatro semanas após o início dos sintomas gerais da doença mas, principalmente, no primeiros 15 dias. Os quadros de exantema (manchas vermelhas) e urticária costumam ser mais precoces, com início concomitante aos sintomas gerais ou nos dois primeiros dias. As manifestações vasculares, como pseudo-eritema pérnio (manchas roxas nas extremidades de mãos e pés), púrpura e necrose são tardias, ocorrendo em geral após a segunda semana de infecção.

“Não tem um quadro único, específico. São [manifestações] muito polimorfas”, informou Camila. Segundo ela, embora as lesões melhorem com a melhoria do quadro da infecção, em alguns casos, elas podem se agravar. As manifestações vasculares com necrose das extremidades podem gerar, inclusive, amputação de membros.

O pior quadro inclui as manifestações vasculares tardias, que ocorrem em pacientes também em estado mais grave, internados em UTI, intubados, idosos com comorbidades e que tomam muitos remédios. “É todo um contexto já bem mais complicado”.

A especialista diz que lesões mais leves, como urticárias e erupções cutâneas podem aparecer em pacientes assintomáticos, do ponto de vista sistêmico. “Elas podem ser uma manifestação única da covid-19”, revela.

Em relação ao tratamento das lesões associadas à covid-19, Camila Seque afirma que, em geral, quando se trata a doença com as medicações para o quadro sistêmico, as lesões de pele acabam melhorando, acompanhando a melhora do quadro do paciente. Caso as manifestações cutâneas se tornem mais resistentes, isso pode exigir tratamento específico. “Mas, em geral, isso não é necessário”, tranquiliza a médica.

Municípios de Guanambi, Candiba e Pindaí são orientados a proibir realização de festejos juninos

O Ministério Público estadual, por meio da promotora de Justiça Tatyane Miranda, recomendou aos Municípios de Guanambi, Candiba e Pindaí que proíbam a realização de festejos juninos...

Saúde investe meio milhão de reais em requalificações do Samu Salvador em 2021

O período de pandemia exigiu ainda mais dos esforços do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) Salvador para obter resolutividade satisfatória nos atendimentos de rotina e...

Receitas juninas: confira opções imperdíveis para fazer em casa

Pelo segundo ano, as festas juninas foram canceladas por causa da pandemia, mas não quer dizer que as comidas típicas não podem ser preparadas. Por isso, a...

Especialistas recomendam vacinas contra doenças mais comuns no inverno

O efeito do clima frio e seco nas mucosas do sistema respiratório e a convivência em ambientes mais fechados estão entre as razões que fazem do inverno...