Pelo segundo ano consecutivo, HGE tem o maior número de cirurgias bucomaxilofacial do país

Com um total de 597 procedimentos realizados em 2020, o Serviço de Cirurgia Bucomaxilofacial do Hospital Geral do Estado (HGE) alcançou, pelo segundo ano consecutivo, o primeiro lugar no país em número de cirurgias da face. Em todo o país, 442 unidades hospitalares públicas ofertaram esse tipo procedimento.

O HGE dispõe de uma equipe com oito cirurgiões bucomaxilo, além de residentes e internos. Segundo o coordenador do Serviço, o cirurgião Samário Maranhão, as cirurgias mais frequentes são para correção de fraturas de mandíbula. Em média, são feitas cerca de 20 cirurgias por semana, inclusive de pacientes encaminhados, via regulação, de municípios do interior do estado.

O vice-coordenador do Serviço, Ravy Carvalho, acrescenta que o atendimento ocorre durante toda a semana, 24 horas por dia, e acrescenta que os resultados satisfatórios são possíveis em função do empenho da direção do hospital, que investe na estruturação e no provimento dos recursos necessários às cirurgias.

O cirurgião Samário Maranhão explica que os pacientes que dão entrada na emergência do HGE e necessitam de cirurgia bucomaxicilofacial recebem os primeiros atendimentos e, dentro das primeiras 48 a 72 horas, são submetidos à cirurgia. Cerca de 90% dos pacientes recebem alta 48 horas após o procedimento cirúrgico e são acompanhados, em ambulatório, uma vez por semana, até a alta definitiva, que ocorre entre três e seis meses após a cirurgia.

Causas

De acordo com Samário Maranhão, a maior parte dos pacientes submetidos à cirurgia bucomaxicilofacial é de vítimas de acidentes de veículos, incluindo motocicletas, seguidas de agressão física e acidentes por arma de fogo. “No caso de acidentes com motos, são atendidos pelo menos seis casos por semana, a grande maioria vindos do interior”, revela o cirurgião, acrescentando que esses tipos de traumas, além de causar comprometimentos estéticos, podem causar também problemas de saúde, como dificuldade de respirar, mastigar, enxergar, dentre outros.

O coordenador do Serviço de Cirurgia Bucomaxicilofacial do HGE lembra que a assistência a esse tipo de trauma foi iniciada em 2008, na emergência da unidade, onde só eram feitos os primeiros procedimentos. Em seguida, os pacientes eram encaminhados para outras unidades, a fim de serem submetidos às cirurgias necessárias. A partir do ano seguinte – 2009 -, com a realização de concurso público e o preenchimento de vagas para a especialidade na rede pública estadual, o serviço foi estruturado e hoje alcança reconhecimento a nível nacional.

HGE

O complexo (HGE 1 e 2) é atualmente o maior hospital especializado em trauma do Estado. São 60 leitos de UTI geral, oito pediátrica, quatro na unidade de queimados, um novo centro cirúrgico com dez salas de cirurgia. São mais de vinte especialidades de plantão 24 horas para atender trauma.

“Piratas da Barra”: adolescentes apreendidos no mar após assalto; vídeo

Dois adolescentes foram apreendidos pela 11a Companhia Independente da PM (CIPM), na praia do Porto da Barra, poucos momentos depois de assaltarem duas pessoas, na Avenida Sete...

Série B: Botafogo e Vasco disputam clássico carioca

Botafogo e Vasco jogam, neste sábado (31), às 21h (horário de Brasília), no Estádio Nilton Santos, pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. A Rádio...

Sudesb lança edital de R$500 mil para apoio a eventos de capoeira

Comemorado em 3 de agosto, o Dia Nacional do Capoeirista tem homenagem antecipada pela Superintendência dos Desportos do Estado da Bahia, autarquia vinculada à Secretaria do Trabalho,...

Caminhão-tanque é apreendido em Feira de Santana por transportar combustível com nota fiscal fraudada

A Polícia Rodoviária Federal na Bahia flagrou na noite desta sexta-feira (30) mais um crime de sonegação fiscal. Desta vez, uma carreta carregada com quase 45.000 litros...