Montanhista que escalou Everest usou racismo estrutural como motivação

A montanhista e empreendedora social Aretha Duarte disse que usou o preconceito e racismo estrutural que sentiu como moradora da periferia de Campinas (SP) como motivação enquanto escalava o Monte Everest, no Nepal, sendo a primeira negra e latino-americana a chegar ao pico, localizado 8 848,86 metros acima do nível do mar.

“Existiu sim um racismo estrutural e por causa disso eu ficava cada vez mais motivada a escalar essa montanha [Everest], no sentido de se tornar uma representação, no sentido de não ter sido apenas a primeira, mas que seja a primeira de muitas”, disse Aretha. A montanhista também deseja um maior número de mulheres e de negros montanhistas e escalando montanhas no Brasil e no exterior. “Apesar de todos os esforços eu queria ver cada vez mais mulheres nesses ambientes, ver mais pessoas pretas nesses ambientes”.

Aretha foi a entrevistada desta segunda-feira (5) do programa Sem Censura da TV Brasil e faltou sobre os desafios que enfrentou para chegar ao cume do Monte Everest; seu maior desafio durante a escalada, que foi a saída do campo 4 em direção ao cume; a zona da morte nas escaladas em montanhas de grande altitude; particularidades do Everest, como o turismo, o lixo e acidentes e sobre conscientização ambiental.

A empreendedora social trabalha em uma operadora de montanhismo em Campinas (SP) e começou com o montanhismo há nove anos. Ela conta que, até chegar ao Everest, adquiriu as experiências necessárias de escalada em rocha, escalada em gelo e um excelente condicionamento físico. “Quando eu determinei que ia escalar essa montanha, que foi em março de 2020, eu precisei apenas fazer a manutenção desse condicionamento.” E, é claro, precisou levantar os recursos.

“Minha maior dificuldade pré-escalada foi alcançar o recurso financeiro para essa empreitada. O recurso financeiro para essa montanha é altíssimo para quem tinha R$0 na conta para esse sonho e [a dificuldade] foi justamente ter que trabalhar sete dias por semana na reciclagem de materiais, encontrar horários no dia para treinar seis dias na semana, e horário no dia para trabalhar na Grade6 [operadora de montanhismo de Campinas]”, conta. Ela diz que recolhia aproximadamente 500 quilos de recicláveis por dia, o que fez com que conseguisse, após alguns meses, parte do dinheiro necessário para a expedição.

Aretha diz que voltou do Everest com uma mentalidade mais resiliente, mais forte, pronta para contribuir para o próximo. Além do Everest, Aretha já escalou o Monte Kilimanjaro, na Tanzânia; o Monte Aconcagua, na Argentina; o Monte Elbrus, na Rússia; o Monte Roraima, na Venezuela e o Alpamayo, na Bolívia.

Ninguém acerta a Mega-Sena e prêmio acumula em R$ 55 milhões

Nenhuma aposta acertou as seis dezenas do concurso 2.396 da Mega-Sena. O sorteio foi realizado na noite dessa quarta-feira (4) no Espaço Loterias Caixa, localizado no Terminal...

Médico acusado de tentar matar ex-companheira em Jardim Armação tem prisão solicitada

O Ministério Público estadual, por meio do promotor de Justiça Davi Gallo, requereu nesta quarta-feira (04/08), à Justiça a decretação da prisão preventiva do médico Rodolfo Cordeiro...

Presente do Dia dos Pais pode trazer sorte na Nota Premiada Bahia

Os presentes de Dia dos Pais podem resultar em prêmios em dinheiro para os participantes da Nota Premiada Bahia. Os consumidores cadastrados no site www.notapremiadabahia.ba.gov.br que inserirem...

Bahia registra 1.906 novos casos de Covid-19 e mais 28 óbitos pela doença

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 1.906 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,2%) e 2.058 recuperados (+0,2%). O boletim epidemiológico desta quarta-feira (4)...