Filhotes de ararinhas-azuis nascem na Caatinga baiana após 20 anos de extinção

Três filhotes de ararinhas-azuis nasceram na região da Caatinga baiana 20 anos após espécie ser declarada extinta no país. Eles são fruto de um casal que veio entre 52 exemplares repatriados da Alemanha no ano passado. 

O primeiro filhote de ararinha-azul nasceu em 13 de abril, os irmãos nasceram em 6 e 9 de junho. De acordo com o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a ararinha-azul é considerada extinta no Brasil desde os anos 2000. De lá para cá, são registradas cerca de 160 ararinhas em cativeiros privados.

De acordo com a analista ambiental e responsável pela Área Temática de Pesquisa, Monitoramento e Manejo do Núcleo de Gestão Integrada (NGI) ICMBio Juazeiro, Camile Lugarini, as ararinhas-azuis devem ser reintroduzidas na natureza. A previsão é que isso aconteça no interior do Refúgio de Vida Silvestre da Ararinha Azul, em Curaçá, município está localizado a 594 quilômetros de Salvador, no norte da Bahia.

Parceria

O nascimento dos filhotes foi possível por meio de um programa de reprodução, envolvendo Brasil e parceiros internacionais, que vem trabalhando para reintrodução da espécie na natureza. Repatriados da Association for the Conservation of Threatend Parrots (ACTP), uma associação alemã que detinha grande número de espécies da ararinha-azul, dos 52 animais que vieram para o país, 14 deles estão em pares dispostos em um recinto para reprodução.

“O acordo foi estabelecido entre ICMBio e ACTP em 2019 para construção de um centro de reprodução no interior do Refúgio de Vida Silvestre da Ararinha Azul, unidade de conservação federal criada em 2018 para abranger a população a ser reintroduzida”, explicou Lugarini. 

Atualmente são aproximadamente 240 animais dessa espécie no mundo e todos estão em cativeiro. Segundo a analista do ICMBio, entre 2019 e 2020 foram registrados 18 nascimentos no criadouro Fazenda Cachoeira, em Minas Gerais. 

“Mas este é o primeiro nascimento na sua área de ocorrência histórica, [na Bahia]. Os animais em cativeiro estão na Alemanha, Bélgica e Singapura. No Brasil, existem dois criadouros: um em Minas Gerais e outro na área de distribuição original, que é o norte da Bahia”, afirmou.

DETRAN baiano⁩ disponibiliza pagamento de taxas pelo PIX

Para facilitar e modernizar o atendimento ao cidadão, o Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (DETRAN-BA) passa a disponibilizar o pagamento de taxas, através do PIX, o...

Maria Marighella repudia ofensas misóginas do secretário Fábio Vilas-Boas à empresária Angeluci Figueiredo

A vereadora Maria Marighella (PT) repudiou as ofensas proferidas pelo secretário estadual de Saúde Fábio Vilas-Boas à empresária Angeluci Figueiredo, dona do restaurante Preta. “A violência contra...

João Paolilo: morre aos 102 anos comerciante mais antigo de Alagoinhas; deputado lamenta

O empresário João Paolilo F morreu nesta segunda-feira, aos 102 anos, em Alagoinhas. Ele estava em casa ao lado da família e era considerado uma importante liderança...

Comunidade quilombola de Bom Jesus da Lapa é capacitada em manejo de galinhas caipiras

Agricultores e agricultoras familiares da Comunidade Quilombola Rio das Rãs, do município de Bom Jesus da Lapa, participaram, na última sexta-feira (30), de capacitação sobre a criação...