Fundação Cidade-Mãe realiza live sobre acolhimento familiar nesta quarta (21)

A Fundação Cidade Mãe (FCM) promove, nesta quarta-feira (21), uma sessão tira-dúvidas aberta ao público para esclarecer como funciona a modalidade de acolhimento familiar. A live será realizada às 19h, no perfil @familiaacolhedorasalvador, no Instagram. A iniciativa terá a presença da coordenadora do Serviço Família Acolhedora (SFA) de Salvador, Suzana Esteves e da psicopedagoga do Serviço, Edileide Antonino, moderadora do evento.

De acordo com Edileide, o acolhimento familiar é uma modalidade muito relevante para a criança, especialmente na primeira infância. Das mais de 30 mil crianças acolhidas em todo Brasil, apenas cerca de 5% delas estão na modalidade familiar, desfrutando de convivência em família, como é o direito preconizado em lei.

“No entanto, poucas pessoas conhecem o acolhimento familiar. Com a live, queremos divulgar o serviço, dizer como funciona e o que é necessário para se tornar Família Acolhedora, além de debater sobre os detalhes desse serviço tão relevante para a sociedade”, explica a psicopedagoga.

Importância – Atualmente, o SFA de Salvador registra quatro crianças que foram acolhidas por famílias que se cadastraram, passaram por todo um processo de capacitação e tornaram-se aptas no processo. Outras cinco famílias estão habilitadas e aguardam a chegada de uma criança para cuidar e proteger, dividir o amor e preparar essa criança para retornar à família de origem ou para uma família substituta.

“A história prévia de cada uma dessas crianças é de abandono e sofrimento, mas o amor que encontram nas Famílias Acolhedoras as ajudam a superar e se preparar para o que a vida trouxer de melhor”, pontua a psicopedagoga.

Como exemplo da importância do serviço, Edileide Antonino lembra um caso recente que tocou a todos no serviço: a de um bebê que foi abandonado próximo a um contêiner de lixo. Inicialmente, a criança foi levada para uma instituição e, só depois, foi encaminhada para o SFA. Atualmente, está acolhida com uma das famílias habilitadas.

Edileide revela ainda que, após a convivência em um lar, com cuidados individualizados, os bebês atendidos até o momento pelo serviço deram um pulo no desenvolvimento físico e motor, além do afetivo. “O contato com uma figura que desempenhe o papel materno é capaz de estruturar o bebê, organizando sua vida. Durante este período, foi necessário fazer a introdução de alimentos sólidos, ajudá-lo a se equilibrar e dar seus primeiros passos e viver a mágica de escutar suas primeiras palavras”, destaca.

Os interessados em participar do Serviço Família Acolhedora podem se cadastrar no site www.familiaacolhedora.salvador.ba.gov.br . Mais informações podem ser obtidas pelo número (71) 3202 2418.

Copom inicia quinta reunião do ano para definir juros básicos

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) começa hoje (3), em Brasília, a quinta reunião do ano para definir a taxa básica de juros,...

Fotógrafo é agredido e tem equipamento roubado na Avenida Sete Portas

Foto: arquivo pessoal O fotógrafo Arisson Marinho, do jornal Correio, foi agredido e roubado por cerca de quatro criminosos, na noite de segunda-feira (02/08), na Avenida Sete Portas,...

Pequenos negócios respondem por 72% dos empregos gerados no país

Os pequenos negócios apresentaram um saldo positivo de 2.094.812 empregos com carteira assinada, o que significa 71,8% das vagas criadas no país. Número quase três vezes superior...

Pregadora diz que é um “absurdo pessoas cristãs levantando bandeiras de pessoas pretas, bandeiras de LGBTQIA+”

A Polícia Civil abriu um inquérito para investigar o discurso de Karla Cordeiro, conhecida como Kakau, membro da Igreja Sara Nossa Terra, em Nova Friburgo, no Rio...