Gabriel Bandeira bate recorde paralímpico e conquista primeira medalha de ouro

O nadador Gabriel Bandeira, de 21 anos, conquistou a primeira medalha de ouro para o Brasil nos Jogos Paralímpicos de Tóquio. Na manhã desta quarta-feira (25), Gabriel venceu os 100m borboleta, na classe S14 (para atletas com deficiência intelectual), com o tempo de 54s76 – recorde paralímpico -, no Centro Aquático de Tóqio. A prata ficou com Reece Dunn, da Grã-Bretanha (55s12), enquanto o australiano Benjamin Hance foi o medalha de bronze (56s90).

Até os 11 anos de idade, Gabriel, natural de Indaiatuba (SP), competia na natação convencional. Após algumas dificuldades de evolução nos treinamentos, ele foi submetido a alguns testes, que constataram uma deficiência intelectual. No ano passado, o nadador participou de sua primeira competição paralímpica e, na ocasião, quebrou quatro recordes brasileiros. Já em 2021, bateu seis recordes das Américas.

“Acho que dentro do possível, [o ouro foi] mais do que esperado. Tivemos um imprevisto. Ficamos mais tempo dentro do quarto do que o esperado. Tenho mais cinco provas. Foi bom quebrar o gelo com ouro [risos]”, disse Gabriel Bandeira em entrevista ao SporTV.

Foto: Helano Stuckert

Somando este pódio, o Brasil já conquistou 303 medalhas na história dos Jodos Paralímpicos. Além disso, com esta vitória de Gabriel, o país chegou a 88 medalhas de ouro – faltando 12 para a 100ª. Ainda são 113 de prata e 102 de bronze. Vale ressaltar que o país está entre as 20 nações que mais medalharam em toda a história do megaevento.

Classificação da natação

Além dos quatro estilos (livre, costas, peito e borboleta), os nadadores são divididos por deficiências. As classificações sempre começam com S (de swimming), sendo que o estilo peito também é representado pela letra B, ou seja, pela sigla SB. Do S1 ao S10, competem atletas com limitações físico-motoras. Do S11 ao S13, nadadores com deficiência visual. E, no S14, nadam os esportistas com deficiência intelectual. Quanto maior o grau de comprometimento, menor o número da classe.

Phelipe Rodrigues conquistou a terceira medalha do Brasil nas Paralimpíadas de Tóquio

Foto: Alê Cabral/CPB

Phelipe Rodrigues conquistou a terceira medalha do Brasil nas Paralimpíadas de Tóquio, todas elas na natação e nesta quarta-feira (25), no primeiro dia de eventos no Japão. O nadador de 30 anos ficou com o bronze na final dos 50m livre da classe S10, dedicada aos atletas portadores de deficiência física que têm maior funcionalidade. A medalha é a oitava da carreira de Phelipe, que está em sua quarta Olimpíada, sempre nadando na classe S10. Especialista no nado livre, ele já tinha cinco pratas e dois bronzes no currículo, incluindo duas pratas nos 50m livre, prova em que agora foi ao pódio pela terceira vez.

Gabriel Geraldo conquista a primeira medalha para o Brasil nos Jogos Paralímpicos de Tóquio

Últimas Noticias

Operação da PF em Serrinha apura desvios de verba da Covid-19

Uma operação da Polícia Federal em Serrinha e mais duas cidades, nesta sexta-feira (30/11), combate o desvio de verbas...