Mulher é picada por cobra e não recebe antídoto a tempo

Uma mulher morreu nesta segunda-feira (25) após ser picada por uma cobra e não receber o antídoto em tempo hábil. A policial Luciene Pedroza Moreira Santos, de 44 anos anos, foi picada por uma cobra jararaca na última quarta-feira (20) quando estava recolhendo roupas no quintal da casa do sítio da família, em Campo Verde (MT).

Luciene foi levada para um hospital que não contava com estoque de soro antiofídico, remédio que combate os efeitos de uma picada de cobra venenosa. Por isso, ela foi levada para outro hospital. Contudo, o veneno tem ação rápida e, quando chegou ao outro ambulatório, os rins já estavam em estado de comprometimento avançado e ela morreu dias depois.

“Ela então tomou o remédio que o médico do plantão receitou e a levaram para Rondonópolis. Com esse lapso de tempo, até tomar o soro, a situação dela se complicou. Vindo a parar os rins e formar coágulos no cérebro”, disse Luiz Conceição Santos, o marido, em entrevista ao UOL.

Últimas Noticias

PRF apreende mais de 60Kg de maconha e 3 kg de cocaína na BR 135 em Bom Jesus

Policiais Rodoviários Federais prenderam, na manhã de hoje (27), um homem de 25 anos acusado do crime de Tráfico...