Piscicultura do Sertão do São Francisco recebe investimentos para ampliar beneficiamento e comercialização

No Território de Identidade Sertão do São Francisco, a piscicultura desponta como atividade promissora da agricultura familiar. Para reforçar o processo de produção e comercialização de peixes, o Governo do Estado, por meio do projeto Pró-Semiárido, firmou um convênio, nesta quinta-feira (28), com a Cooperativa de Produção e Comercialização dos Derivados de Peixe de Sobradinho (Coopes).

Por meio do projeto Pró-Semiárido, executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), com cofinanciamento do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), serão destinados R$ 531,7 mil em ações para ampliar e fortalecer a piscicultura, como a compra de ração para vender para os agricultores cooperados.

De acordo com o diretor-presidente da CAR, Wilson Dias, será uma segunda frente que a cooperativa abrirá no seu portfólio de produtos. Além de fazer o beneficiamento do pescado, fará a comercialização da ração. “Esse convênio tem esse propósito, que a Coopes compre ração em atacado e faça o fornecimento mediante contrato com os produtores, em que eles vão pagar parte em dinheiro e parte em pescado. Desta maneira, o beneficiamento e a comercialização serão fortalecidos também”.

Para Rosália Vieira, presidente da Coopes, esse convênio é uma oportunidade que contribui para a sustentabilidade da produção de peixes. Segundo ela, um dos desafios dos produtores têm sido o aumento de preço da ração no mercado. “Os produtores poderão comprar a ração mais barata e terão a venda garantida de sua produção, para a cooperativa beneficiar. Os piscicultores e piscicultoras terão um ‘fôlego’ para conseguir alimentar os peixes e também não ficarão reféns dos atravessadores, que não pagam preços justos”.

O peixe da espécie tilápia, produzido pela Coopes, é estocado e comercializado seguindo os padrões ideais sanitários e de qualidade, além de possuir o Selo de Identificação da Agricultura Familiar (SIPAF), que garante a sua origem. Hoje, a cooperativa tem a capacidade de produção de 100 a 300 quilos por mês, comercializados de diversas formas, como filé de tilápia a vácuo, congelado em posta, espalmado congelado, linguiça de peixe, espetinhos de peixe, bolinho de peixe e peixe fresco, um cardápio variado que pode ser adquirido no Armazém da Caatinga, em Juazeiro, ou por meio do site www.mercaf.com.br.

A engenheira de Pesca do Pró-Semiárido, Joseane Araújo, que acompanha o desenvolvimento produtivo da Coopes, destacou que com a assinatura desse convênio será possível garantir a alimentação dos peixes. “Os produtores comprarão a ração com cerca de 15% de desconto, mais barato que os mercados atuais. Nesse processo, ganha quem produz e, também, a cooperativa, pois terá uma produção periódica, para a comercialização contínua, podendo assim abastecer grandes supermercados”.

A Coopes conta ainda com outro convênio firmado junto ao Pró-Semiárido, no valor total de R$439,9 mil. Um recurso que prevê a aquisição de equipamentos para o beneficiamento do pescado e aproveitamento de resíduos sólidos, entre outras ações, beneficiando piscicultores do território Sertão do São Francisco.

Mais investimentos

Para garantir a qualificação da produção, outro projeto do Governo do Estado, o Bahia Produtiva, destinou à Coopes R$ 1,6 milhão de recursos aplicados na reforma da unidade de beneficiamento de pescados, construção da fábrica de óleo e aquisição de máquinas e equipamentos. A previsão é que a obra seja entregue no segundo semestre deste ano. O Bahia Produtiva é executado pela CAR/SDR e cofinanciado pelo Banco Mundial.

Últimas Noticias

Ver menos televisão pode reduzir risco de doenças cardíacas coronárias

Mais de um em cada 10 casos de doenças cardíacas coronárias poderiam ser evitados se as pessoas reduzissem o...