Bahia supera desempenho nacional e segue com ampliação de investimentos

A taxa média de investimentos do Governo da Bahia em relação ao PIB, entre 2018 e 2021, foi de 1,03%, resultado que corresponde a mais que o dobro da média nacional para os estados, de 0,46% para o mesmo período. Nos últimos sete anos, o governo estadual investiu R$ 18 bilhões em obras nas áreas de saúde, infraestrutura, educação, segurança pública, entre outras. Esse desempenho coloca a Bahia em segundo lugar no ranking nacional de investimentos entre 2015 e 2020, atrás apenas de São Paulo. Em termos proporcionais, o governo baiano segue investindo mais que o paulista, que possui um orçamento cinco vezes maior.

Somente em 2021, a Bahia investiu R$ 4,1 bilhões. Tomando-se por base os últimos dois anos consolidados, entre 2020 e 2021 a Bahia avançou, respectivamente, de 0,82% para 1,18% do total de seu PIB em valor de investimentos. Enquanto isso, de acordo com o Observatório de Política Fiscal do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), o país teve uma queda no volume de investimentos comparado percentualmente ao seu PIB. Caiu de 2,68% em 2020 para 2,05% em 2021. E vem em queda nos últimos anos.

Segundo o secretário estadual da Fazenda, Manoel Vitório, mesmo em períodos de dificuldades causadas pela estagnação da economia nacional e pela pandemia, a Bahia se manteve estável nos investimentos e na saúde fiscal. “Nós não fraquejamos. Implantamos o Modelo Bahia de Gestão, que nos garantiu este segundo lugar em investimento no país, e por isso também o Governo do Estado tem conseguido, sistematicamente, ser o que mais cumpre as promessas de campanha. Isso é muito importante porque significa a melhora da condição de vida dos baianos, melhoria da infraestrutura, atração de novos investimentos, entre outros benefícios”.

Vitório afirma que a decisão de manter os investimentos públicos nos anos anteriores teve uma importância fundamental no enfrentamento à pandemia. “A pandemia encontrou um estado com um sistema de Saúde muito mais forte e muito maior, evitando o que ocorreu em outros estados, inclusive fora do Brasil, onde muitas pessoas morreram sem assistência. Nós salvamos vidas e agora estamos no processo de retomada, com novos desafios que estão sendo superados”.

Modelo Bahia de Gestão

O Modelo Bahia de Gestão está alicerçado em três pilares: a qualidade do gasto público, a utilização crescente de tecnologia pelo fisco e o combate à sonegação. “Nós trabalhamos a eficiência na aplicação de recursos, com maior tecnologia no dia a dia. Isso representou uma redução do custo das atividades meio e uma maior possibilidade de custeio das atividades finalísticas, além de aumentar também os investimentos. Esse é um aprimoramento da máquina pública no conceito de qualificação do gasto público”. A Bahia contabilizou a economia real de R$ 9 bilhões com as despesas de custeio entre 2015 e 2021, graças ao controle promovido pelo programa de Qualidade do Gasto Público.

O Estado também foi muito eficiente no combate à sonegação e ao crime contra a Ordem Tributária. “Nós contamos, inclusive, com a parceria de outros poderes. Um exemplo é o Ministério Público, através da secretaria executiva do Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (Cira). Essa máquina mais eficiente proporcionou que o Estado da Bahia mantivesse as contas equilibradas, os pagamentos em dia, e que pudéssemos ampliar a prestação de serviços e a infraestrutura para a população”.

Mais investimentos, mais produtividade

Um exemplo dos investimentos feitos pelo Governo do Estado é a área de infraestrutura, que impactou na produtividade baiana. Segundo o secretário da pasta, Marcus Cavalcanti, foram investidos mais de R$ 3,5 bilhões neste segmento. “Há um aumento da receita, com as empresas se instalando no interior e contratando pessoas. Além do crescimento de postos de trabalho, a realização de obras nas rodovias vem contribuindo para a melhoria de qualidade de vida dos baianos, permitindo o deslocamento entre os municípios de forma mais rápida e segura. As ações também facilitam a circulação de mercadorias, diminuindo o custo do frete e aumentando a segurança viária, gerando emprego e renda para a população”, explicou.

Cavalcanti enumerou algumas das principais obras no estado. “Nós estamos iniciando, provavelmente em julho, as obras de dragagem para a construção da Ponte Salvador-Itaparica, os pilares da nova Rodoviária de Salvador já estão sendo colocados, e está de vento em popa outra grande obra que é a duplicação da rodovia Ilhéus – Itabuna. O Aeroporto de Bom Jesus da Lapa já está com a pista concluída, e estamos fazendo o terminal de passageiros para liberar o tráfego no final do ano. O Aeroporto de Senhor do Bonfim está na mesma situação”.

Grandes obras

Outras grandes obras com investimentos do Governo do Estado estão espalhadas pelo capital e interior da Bahia. Nos últimos anos, foram inauguradas 22 Policlínicas Regionais de Saúde, com orçamento médio de R$ 24 milhões, cada uma. Também foram construídos novos hospitais, como o HGE 2, o Hospital da Mulher e o Instituto Couto Maia, em Salvador; o Hospital Regional Costa do Cacau, em Ilhéus; Hospital da Chapada, em Seabra; Maternidade do Hospital da Criança, em Feira de Santana; Hospital Metropolitano, em Lauro de Freitas; além de ampliações realizadas no Prado Valadares, em Jequié.

Destacam-se ainda os investimentos nos aeroportos de Vitória da Conquista, Guanambi, Ilhéus, Bom Jesus da Lapa e Senhor do Bonfim; e a expansão do Metrô Salvador/Lauro de Freitas, que tem 33 quilômetros de trilhos e está ganhando mais cinco quilômetros até Águas Claras, somando 22 estações e oito terminais de integração de ônibus.

Também estão em fase de conclusão, em Salvador, os corredores transversais Linhas Azul e Vermelha; além da Via Barradão, que já foi concluída. No programa de Contenção de Encostas, na capital baiana, foram investidos cerca de R$ 216 milhões. Já as construções das pontes Ilhéus/Pontal e Barra/Xique-Xique estão entre as obras de infraestrutura do Governo que levam integração para o interior do estado.

Repórter: Raul Rodrigues

Últimas Noticias

Ver menos televisão pode reduzir risco de doenças cardíacas coronárias

Mais de um em cada 10 casos de doenças cardíacas coronárias poderiam ser evitados se as pessoas reduzissem o...