Bruno Reis diz que greve tem motivação política e faz apelo para que professores voltem ao trabalho

Prefeito afirma que está aberto ao diálogo e conta que mais de 50% dos profissionais não aderiram à paralisação nesta quinta (19)

O prefeito de Salvador, Bruno Reis (União Brasil), afirmou nesta sexta-feira (20) que a greve dos professores da rede municipal tem motivações políticas e pediu aos educadores que não interrompam as atividades. Ele ressaltou estar aberto ao diálogo com a categoria e revelou que, nesta quinta-feira (19), quando foi iniciado o movimento, mais de 50% dos profissionais não aderiram à paralisação.

“Estou me dispondo a dar um aumento de 6% e também fazer mudanças de níveis, o que vai tornar o reajuste na prática de 11,37%, praticamente o mesmo percentual que o Governo do Estado está dando. Mas eles chegam, sem qualquer paralisação prévia, depois de terem colocado uma proposta na mesa, que eu aceitei, e decidem fazer a greve. Então o que é isso? Política”, explicou Bruno Reis.

Segundo Bruno, os sindicatos não dão à Prefeitura o mesmo tratamento dado ao governo. “É uma questão política. O governo passou sete anos sem dar qualquer aumento. Só no último ano foi que o governador deu um aumento. E vocês não ouviram eles reclamando, não viram eles fazendo paralisação, muito menos greve. Na Prefeitura, fizemos um aumento de níveis no final de 2020. Só eles tiveram esse benefício”, recordou o prefeito.

O gestor municipal ressaltou que nunca interrompeu o diálogo com a categoria. “Nós já pagamos aqui acima do piso. O piso é de R$ 3.850. A gente paga R$ 4.300. Quando você pega os recursos do Fundeb, 70% deveria ser para gastar com todos os trabalhadores da educação, professores e outros. Mas a gente pega 101,56%, ou seja, todo o dinheiro do Fundeb e ainda tem que botar mais recursos próprios só para pagar os professores”, salientou.

Porém, pediu compreensão diante das limitações financeiras que o município enfrenta, sobretudo por conta da pandemia. “Ontem (quinta), 50% dos professores não aderiram e foram às salas de aula. Espero que hoje tenhamos até mais. As crianças, a educação não aguentam mais ficar sem aulas. Vamos seguir dialogando, conversando”, frisou.

“A gente pede que os sindicatos tenham sensibilidade. Vamos seguir dialogando. Retornem à sala de aula, porque a gente vai assegurar as conquistas e os direitos que a gente tem condição de atender diante das restrições orçamentárias e do que nós temos de compromisso hoje com a cidade em todas as áreas. Com muita humildade a gente pede bom senso aos professores”, complementou.

Últimas Noticias

Atrações musicais enriquecem a programação cultural do 2 de Julho

Além da parte cívica, a programação do 2 de Julho, em Salvador, também contará com muita música, para animar...