Clima contagiante marca premiação do II Festival Digicultural em Lauro de Freitas

Alegria, emoção e entusiasmo marcaram o encerramento do II Festival Digicultaral da rede municipal de ensino de Lauro de Freitas, que premiou 31 estudantes da Educação Infantil, Fundamental I e II e da Educação de Jovens e Adultos (EJA). O evento de premiação, que contou com apresentações artísticas, foi realizado nesta sexta-feira (15), no Cine Teatro. Os estudantes concorreram nas categorias produção artística (dança, música, audiovisual), fotografia, desenho e produção textual.

As categorias foram divididas em dois segmentos de avaliação para as premiações: júri técnico (formado por profissionais da educação), com premiação para o 1º e 2º lugar, e popular (contagem de votos pela internet), com uma premiação. Todas as produções da segunda edição do Festival Digicultaral foram voltadas para o tema “Volta às Aulas Criativa 2021”, que estimulou os estudantes a pensarem sobre os desafios de estudar durante as restrições da pandemia.

No total, 41 prêmios foram entregues, entre brindes, bolsas de curso de inglês e de práticas esportivas. A secretária de Educação (Semed), Vânia Galvão, destacou que a premiação do festival celebra o desempenho e a dedicação de toda a comunidade escolar. “Durante a pandemia realizamos o primeiro Digicultural e não tivemos como fazer as entregas dos prêmios como neste evento. Mas esta atividade possibilita o reforço da educação dos nossos jovens. A premiação é símbolo do reconhecimento de todos e todas que fazem parte da rede municipal de ensino”, disse.

Entre os estudantes que receberam prêmios, Vitória Silva, aluna do 9º ano da Escola Amauri Siqueira Montalvão, ganhou na categoria de produção artística. Ela gravou um vídeo em que cantou uma música de sua autoria, com base no tema do festival. “A música que cantei no vídeo fala do momento em que estávamos passando. Como eu consigo cantar e me dou bem nisso, fiz minha produção assim”, disse a jovem de 14 anos que ganhou um violão como prêmio.

A movimentação do Festival Digicultural ainda rendeu outros prêmios para as unidades escolares que conseguiram o maior número de inscritos no concurso. Uma delas, a Escola Dom Avelar Brandão Vilela ganhou uma bolsa integral de curso de inglês. A critério da própria escola, com base no desempenho de seus alunos, o prêmio parou nas mãos da pequena Pietra Freitas, aluna do 5º ano. “É muito bom poder ganhar um prêmio. Agora, com a ajuda da minha mãe e da escola, eu vou me dedicar para aprender inglês”, disse Pietra.

De acordo com Idaci Ferreira, coordenadora de Projetos Especiais Cidade Educadora da Semed, que idealizou o festival, em 2023 terá uma nova edição. “O digicultural é esta ideia de conectar educação, cultura e digital. O festival foi criado no contexto de pandemia, onde o digital era a única forma de chegar aos estudantes. Para o próximo ano vamos continuar com esta mesma filosofia, ainda mais agora que os estudantes têm tablets em mãos, com mais produções”, ressaltou.

Os prêmios do II Festival Digicultaral da Semed foram doados por parceiros. São eles: Instituto Intercultural do Brasil ABD EREMIM, AMVOX, KNN e CIA, Varal Lavanderia, Restaurante Rei do Espeto, Centro de Artes Marciais AKTKD, Academia Tigre de Karatê, SEMOG e Alegoria.

Últimas Noticias

Fim da dupla Simone e Simaria é confirmado

As irmãs Simone e Simaria confirmaram em portagem nas redes sociais, nesta quinta-feira (18/08), o fim oficial da...