Exemplo de imagem responsiva Prefeitura de Salvador
Informe Baiano
Exemplo de imagem responsiva Prefeitura de Salvador

Jornalista faz alerta aos baianos sobre voto nulo

Considerada umas das principais lideranças do “Movimento Liberal” na Bahia, a jornalista Priscila Chammas vem discutindo e alertando seus seguidores sobre as eleições desse ano.

No primeiro turno da disputa para governador, Jerônimo Rodrigues (PT) teve 49% dos votos válidos contra 40% de ACM Neto (União Brasil) e 9% de João Roma (PL). A soma dos votos de Neto e de Roma levaram a disputa para o segundo turno, o que não acontece na Bahia há 26 anos.

Em postagem recente no Instagram, a comunicóloga afirma: “Votar nulo é ajudar o PT”.

“O PT significa ineficiência, corrupção, estado inchado, cheio de cupinchas do sindicato, doutrinação e descaso com a educação básica, MST se espalhando e homicídios se multiplicando. Significa instituições sequestradas e a sanha incontrolável de censurar e controlar o que se diz, a depender de quem diz, e disso já tivemos amostras de sobra nesta campanha”, pontua.

Firme nas suas defesas, a jornalista acrescenta que a “nível estadual e federal, PT não é opção”.

“E, ao contrário do primeiro turno, não temos mais opção. Quem vota nulo, branco, ou se abstém, no fundo está ajudando a quadrilha que está na frente a se perpetuar eternamente no poder. Você sabe que não ‘tanto faz’. A Bahia faz parte do projeto nacional de retomada de poder. O Brasil faz parte do projeto de perpetuação indefinida de poder na Bahia”, sentencia.

“Não dá pra separar uma coisa da outra. Não dá pra se eximir. Só existem duas opções nestas eleições. Ainda que não seja apaixonado por um dos dois adversários do PT, ainda que tenha dezenas de ressalvas a um deles, você sabe o que precisa ser feito. Onde tiver PT, temos o dever moral de estar do outro lado. Pense nisso quando estiver sozinho com a urna, no dia 30. O Brasil e a Bahia precisam da sua ajuda!”, finaliza Priscila Chammas.

Fundação Jose Silveira
Prefeitura de Juazeiro

Populações periféricas são mais vulneráveis à dengue

"O meu homem-aranha está amuado, tristinho. É tão estranho”. A auxiliar de serviços gerais Juliana Pereira, de 28 anos...