Prefeitura Municipal de Savaldor

Falta de acordo adia sessão da CPMI que investigaria atos golpistas de 8 de Janeiro

 

A comissão parlamentar mista de inquérito (CPMI) responsável por investigar os atos golpistas ocorridos em 8 de janeiro enfrentou um impasse durante sua sessão deliberativa prevista para esta terça-feira (22/08). Os deputados federais e senadores que compõem a comissão não conseguiram chegar a um acordo sobre os requerimentos que seriam submetidos a votação. Diante disso, o presidente da CPMI, deputado federal Arthur Maia (União-BA), optou pelo cancelamento da sessão.

A expectativa para o dia era de avançar com os trabalhos investigativos, porém, as divergências entre os membros da comissão impediram o andamento planejado. Durante toda a manhã, os integrantes da CPMI se reuniram em busca de um consenso que possibilitasse a definição dos requerimentos a serem votados. No entanto, essa concordância não foi alcançada e a decisão de cancelar

“Eu acreditei que seria possível fazer um acordo, como foram feitos outras vezes. Das outras vezes não fiz a pauta para forçar o acordo, mas hoje não foi possível”, explicou Maia, que justificou a necessidade de acordo para dar mais credibilidade a CPMI.

“Eu tenho feito, sim, um esforço muito grande para que os requerimentos da oposição sejam votados. Não é porque eu esteja defendendo a oposição não, estou defendendo a credibilidade da CPMI. Se você só votar os requerimentos de um lado, a CPMI perde credibilidade. Esse é meu propósito”, explicou o deputado baiano.

Maia completou que, “se for necessário”, vai fazer uma sessão deliberativa antes ou depois do depoimento marcado para esta quinta-feira (24). Somente sessão deliberativa pode aprovar novas medidas da CPMI.

Entre os requerimentos que parlamentares governistas querem aprovar estão: a reconvocação do tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, e a quebra dos sigilos telefônico e telemático do ex-presidente Jair Bolsonaro, da deputada federal Carla Zambelli (PL-SP), do ex-ministro da Defesa Paulo Sérgio Nogueira, entre outros.

Sargento

A Comissão vai ouvir nesta quinta-feira (24) o sargento do Exército Luís Marcos dos Reis, acusado de ter movimentado R$ 3,3 milhões segundo informações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) vazadas à imprensa.

O requerimento do deputado federal Rogério Correia (PT-MG) aprovado pela Comissão que convoca o sargento Reis cita matérias da imprensa e justifica que tais documentos “comprovariam a tentativa de golpe de estado foram encontrados em mensagens trocadas entre o coronel Mauro Cid e o sargento Luís Marcos dos Reis”.

A CPMI marcou ainda os depoimentos do ex-comandante da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) Fábio Augusto, para a próxima terça-feira (29); e do ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) general Gonçalves Dias para a próxima quinta-feira (31).

Fundação Jose Silveira
Prefeitura Porto Seguro

Em Ubatã, PRF recupera uma motocicleta roubada há quase 40 anos

Na última segunda-feira (26), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) recuperou uma motocicleta roubada há quase 40 anos. O incidente...