O arco de alianças na sucessão da Bahia não está definido; Rui perde coligados. Por Ramon Margiolle

O vozeio nos bastidores do Poder é que muita gente vai pular do barco petista. O motivo é simples. Ninguém suporta o desprezo e as vazais orquestradas contra os partidos coligados, como também propagandas direcionadas a fim de macular o trabalho desenvolvido pelos parlamentares. Porém, o momento não é agora, mas está próximo. Não foi à toa que o sertanejo de fibra da cidade de Rui Barbosa, o senador Otto Alencar, puxou a orelha do governador durante uma entrevista ao Informe Baiano recentemente. O cacique do PSD lembrou que ninguém ganha eleição sozinho. O recado foi claro, duro e direto: “é importante que dentro da relação política tenha verdade”, sentenciou Otto, que notabilizou-se na vida pública como um homem de palavra, cangote grosso e cabeça erguida. Mas que não admite humilhações. Dizem os antigos: era um dos poucos tratados com absoluto respeito pelo doutor Antônio Carlos Magalhães. Anote, uma hora dessa ele se aborrece com a falta de liderança do governador Rui Costa.

Para se ter ideia da crise até então silenciosa instalada na articulação da gestão estadual, há dois meses nenhum projeto é votado na Assembléia Legislativa da Bahia (ALBa). No mínimo estranho! A própria base petista, inclusive, já ensaia a retirada do deputado Rosemberg Pinto da liderança do bloco. Quem também está na berlinda é o simpático Zé Neto de Feira de Santana, que não sabe mais o que falar para manter unida a bancada de situação.

E não é só isso. Até o deputado federal Cacá Leão, vale ressaltar, filho do vice-governador e secretário de Planejamento João Leão, revelou publicamente “insatisfação”. Disse que “o processo de 2018 ainda é muito escuro”. Pior, afirmou que é amigo e irmão do vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (PMDB), e que tem afinidade, além de ideias convergentes com as de ACM Neto, candidato ao Governo. Pode-se dizer, sim, que já está trabalhando internamente para acabar o apoio do Partido Progressista (PP) a Rui.

Outro ponto importante que faço questão de ressaltar é a superação da crise do Governo Temer, que ao contrário de Dilma, teve habilidade para dialogar com as Forças Armadas e com o Congresso. Está tornando-se imbatível. É fato, queira ou não, Temer não cai. Por fim, pergunto: Rui Costa, qual vai ser seu discurso, já que uma das principais bandeiras do PT na última campanha era alinhar o Governo da Bahia com o Governo Federal?

 

Por Ramon Margiolle
Diretor de Conteúdo do Informe Baiano
rmargiolle@gmail.com

Ultimas Noticias

Pedidos de refúgio no Brasil podem ser feitos apenas pela internet

O Ministério da Justiça e Segurança Pública recebe, a partir deste domingo (15), exclusivamente pela internet todos os pedidos de refúgio no Brasil. Os...

Personagens de desenhos e vampiros são parte das fantasias sexuais de...

Uma pesquisa feita pelo psicólogo e sexólogo Justin Lehmiller com 4 mil americanos revelou que 25% deles têm fantasias sexuais com personagens de desenhos animados...

Pesquisadores demonstram beneficios do lítio para idosos com Alzheimer

Pesquisa desenvolvida no Brasil, em colaboração com cientistas estadunidenses, avança no entendimento dos efeitos benéficos do lítio para idosos com Alzheimer, doença que causa...

Vaso sanitário de ouro é roubado durante exposição

A polícia investiga o roubo de uma obra de arte exposta no Palácio Blenheim, em Oxfordshire, na Inglaterra, na madrugada do último sábado (14/09/2019). A peça...
Publicidade