Prefeitura Municipal de Savaldor

BRASIL! Passagens altas e companhias aéreas beneficiadas com R$ 6,5 bilhões

O painel “Renúncias Fiscais” do Portal da Transparência revela que as três principais companhias aéreas do Brasil – TAM Linhas Aéreas S/A, Gol Linhas Aéreas S.A. e Azul Linhas Aéreas Brasileiras S.A. – foram contempladas com um montante total de R$ 6,5 bilhões em renúncias fiscais ao longo do ano-calendário 2021. Estas informações foram declaradas no exercício de 2022, seguindo a lógica da declaração do Imposto de Renda, e a atualização se repetirá anualmente.

A Latam (antiga TAM) lidera as renúncias, alcançando o valor de R$ 3,7 bilhões. Ela se posiciona como a quinta empresa mais beneficiada, ficando atrás apenas da Petrobras, Vale, GE Celma e Fiat Chrysler.

Em sequência, a Gol recebeu R$ 1,8 bilhão em renúncias, enquanto a Azul ficou com pouco menos de R$ 1 bilhão, especificamente R$ 949,3 milhões. TAM, Gol e Azul estão entre os 30 maiores beneficiários de incentivos fiscais federais. Em 2021, mais de R$ 215 bilhões foram renunciados em valores relacionados à arrecadação de tributos federais e aos incentivos vinculados a programas governamentais.

As principais áreas de renúncia fiscal exploradas pelas empresas aéreas foram o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), Imposto de Importação, PIS e Cofins.

A renúncia fiscal, prática na qual o governo abre mão total ou parcialmente dos tributos devidos, visa estimular a economia ou programas sociais desenvolvidos pelo setor privado ou entidades não governamentais. Essa política governamental visa promover o desenvolvimento de setores econômicos estratégicos ou regiões específicas do país, como é o caso da Zona Franca de Manaus.

O painel que apresenta essas renúncias fiscais é uma iniciativa conjunta da Controladoria-Geral da União (CGU) em parceria com a Receita Federal, lançado recentemente, proporcionando maior transparência e visibilidade sobre esses dados.

Preços elevados de passagens
O governo federal afirma que avançou em medidas para socorrer o setor aéreo, respondendo aos preços elevados das passagens desde o início da pandemia de Covid-19. Em dezembro do ano passado, o Ministério de Portos e Aeroportos anunciou a primeira fase do Plano de Universalização do Transporte Aéreo, visando oferecer viagens mais acessíveis.

Atualmente, o governo propõe duas frentes de atuação. A primeira é o programa “Voa Brasil”, programado para ser lançado em 5 de fevereiro, visando disponibilizar passagens aéreas por até R$ 200. Inicialmente, o programa será direcionado a aposentados com renda de até dois salários mínimos e alunos do Programa Universidade Para Todos (Prouni).

Outra medida consiste na criação de um fundo de até R$ 6 bilhões para financiar companhias aéreas, buscando reduzir os custos operacionais e conter o aumento dos preços das passagens. Detalhes sobre o Fundo Nacional de Financiamento da Aviação Brasileira (Fnac) serão apresentados em breve, incluindo opções como refinanciamento de dívidas, investimentos em manutenção e aquisição de aeronaves. O governo também explora alternativas para reduzir os custos do querosene de aviação, impactando os preços das passagens.

Prefeitura Municipal de Savaldor

Últimas Noticias

OMS alerta para aumento de casos de sarampo no mundo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) voltou a alertar para o aumento de casos de sarampo em todo o...