Exemplo de imagem responsiva Gorverno do Estado da Bahia
Informe Baiano
Exemplo de imagem responsiva Gorverno do Estado da Bahia

Paris 2024: atletas brasileiros reforçam cuidados com saúde mental

Pés descalços, mãos na enxada e uma roça inteira para cuidar. A rotina, comum a muitos trabalhadores rurais do Brasil, é parte da preparação de um atleta de alto rendimento. Quando Petrúcio Ferreira, bicampeão paralímpico de atletismo, precisa acalmar a mente, é para São José do Brejo do Cruz, no interior da Paraíba, que ele corre. Nas palavras do próprio atleta, é um “combustível”, que ajuda a melhorar a concentração e a chegar bem nas competições.

“A vida do atleta, por mais que tenha muitas pessoas ao redor, acaba sendo uma vida solitária. Isso, porque é ele com o próprio sonho e pensamentos. [É] ele que precisa correr atrás nos dias de treino, que fica na dúvida se vai dar certo. Isso acaba exigindo muito da nossa mente. Estar longe da família, longe de casa. Isso exige muito”, diz Petrúcio. “Quando estou muito acelerado, volto para a casa dos meus pais, para relembrar um pouco das minhas origens e raízes, para lembrar de onde eu saí, onde eu estou e onde quero chegar.”

Por muito tempo, foi comum associar a imagem dos atletas à de máquinas ou de super-heróis. Em foco, o físico, os movimentos, a resistência, a força. Nos Jogos de Tóquio, realizados em 2021, uma dimensão geralmente invisível e mais humana ganhou destaque: a da saúde mental. Muito por conta da história de Simone Biles, ginasta norte-americana sete vezes medalhista olímpica, que deixou de competir em cinco finais para cuidar da parte psicológica.

Há pouco mais de um mês para o início da Olimpíada de Paris (26 de julho), e pouco mais de dois meses para a Paralimpíada (28 de agosto), atletas que vão participar dessas competições falaram com a reportagem da Agência Brasil sobre a importância da preparação mental. As conversas ocorreram no evento de apresentação do Time Petrobras, grupo de atletas patrocinado pela estatal.

Cada um lida com diferentes tipos de pressão. Medalha de ouro no Rio e em Tóquio, Petrúcio tenta ser o melhor no que faz pela terceira vez seguida. “Principalmente na prova dos 100 metros T47, os atletas têm esse parâmetro: aquele a ser batido nas grandes competições é o Petrúcio. Chegar ao topo pode ser mais fácil do que se manter, porque eu fico sem parâmetro. O que eu tenho de superar são meus próprios resultados e eu mesmo durante os treinos. Acaba sendo um pesinho a mais, mas consigo lidar muito bem com isso hoje. Não vou trazer isso como um fardo e uma cobrança”, afirma.

Governo do Estado garante mais infraestrutura e mobilidade para Casa Nova e distritos da região

A mobilidade nas cidades do interior é mais um ponto que tem recebido a atenção da gestão estadual. O governo baiano tem realizado investimento...

Advogado dá voz de prisão para juíza durante audiência

O advogado Rafael Dellova deu voz de prisão para a juíza Alessandra de Cássia Fonseca Tourinho durante audiência na 4ª Vara do Trabalho, em...

Governo do Estado garante mais infraestrutura e mobilidade para Casa Nova e distritos da região

A mobilidade nas cidades do interior é mais um ponto que tem recebido a atenção da gestão estadual. O...
Fundação Jose Silveira

Governo do Estado garante mais infraestrutura e mobilidade para Casa Nova e distritos da região

A mobilidade nas cidades do interior é mais um ponto que tem recebido a atenção da gestão estadual. O...

Advogado dá voz de prisão para juíza durante audiência

O advogado Rafael Dellova deu voz de prisão para a juíza Alessandra de Cássia Fonseca Tourinho durante audiência na...

Justiça condena homem por recebimento e armazenamento de carvão ilegal

A Vara Cível da comarca de Cândido Sales condenou, a pedido do Ministério Público estadual, um homem por danos...

ESTADO GRAVE: Subtenente da 48ª CIPM atropelado por bandidos durante blitz em Sussuarana

O subtenente Paim, da 48ª CIPM, foi atropelado durante uma blitz, no bairro de Sussuarana, em Salvador, na noite...