A volta do eletrochoque e do manicômio no SUS; por Plácido Faria

O coordenador-geral de saúde mental, álcool e outras drogas do Ministério da Saúde, Quirino Cordeiro, assinou nota técnica número 11/2019, publicada no dia 04 próximo passado – com 32 páginas – a fim de orientar gestores do SUS sobre a política de saúde mental, incentivando o uso da eletroconvulsoterapia (técnica, em desuso, que consiste na passagem de uma corrente elétrica de alta voltagem sobre a região temporal a fim de provocar dessincronização traumática da atividade cerebral do paciente com contrações clônicas e perda da consciência, como terapia em casos de problemas mentais) e a internação de crianças e adolescentes em hospitais psiquiátricos.

A aludida nota técnica, fere, não só a Lei 10.216, de 06/04/2001, que dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental, bem como é inconstitucional, porque faz tábula rasa ao “PRINCÍPIO DA DIGNIDADE HUMANA”, ao avalizar o uso de eletroconvulsoterapia como forma normal de tratamento na rede pública, método polêmico, considerado o seu uso para casos raríssimos, em virtude de antigamente, tal prática constituí verdadeira barbárie, assemelhando-se ao método de tortura. O filme americano Estranho no Ninho (foto em destaque), por exemplo, mostra o calvário e a tortura do tratamento realizado com eletrochoque. A aludida película protagonizada pelo ator Jack Nicholson comoveu o mundo.

O tema, Política Nacional de Saúde Mental é tão polêmico, que o Congresso Nacional, só aprovou a Lei 10.216, após 12 anos de debate interno e intenso com a sociedade. A Constituição Federal, em seu Artigo 196, afirma a saúde é direito de todos e dever do estado, colocando tal direito no rol de direitos fundamentais, indisponíveis e inalienáveis, assim como todos os demais direitos sociais. Ademais, a internação em qualquer das suas modalidades, só será indicada quando os recursos extra hospitalares se mostrarem insuficientes (Art. 4º da Lei 10.216). Qualquer tratamento tem como finalidade permanente, o retorno do paciente em seu meio.

Só existem 3 tipos de internação, a saber: voluntária- aquela que se dá com o consentimento do usuário; involuntária- aquela que se dá sem o consentimento do usuário e a pedido de terceiro; compulsória – determinada pela justiça. Observem a impropriedade do termo “usuário”, deveria ser ‘paciente”, em virtude de que as referidas internações são para doentes mentais e usuários de droga. Outro ponto que merece destaque, só a justiça pode internar compulsoriamente, não possuindo o estado esse poder.

A Política de Saúde Mental é algo muito sério para ser partidarizado, estão atribuindo responsabilidade exclusiva ao Governo Bolsonaro pelo desmonte da política de saúde mental. Sucede que, conquanto, a nota técnica seja um acinte à legalidade, a mesma não traz nada de novo- apenas é o resumo de 10 documentos, resoluções e portarias- publicadas no período entre 2017 e 2018. É um resumo da ilegalidade das medidas tomadas nos últimos dois anos, o estudo já estava pronto e não foi discutido. Segundo o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em entrevista afirmou não ter conhecimento da totalidade da multicitada nota técnica.

A gravidade da nota, é que o Ministério da saúde passaria a financiar a compra de aparelhos de eletroconvulsoterapia (ECT) para tratamentos de pacientes com transtornos mentais. Inclusive, o equipamento consta na lista de materiais do Fundo Nacional de Saúde, vinculado ao SUS. O pecado da atual administração foi por omissão, vez que, não deveria ter agido apressadamente, aceitando o trabalho realizado do governo anterior.

Não resta dúvida, que os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e Serviços de Residência terapêuticas devem ser incentivados para o tratamento psiquiátrico, ao invés da política de segregação do manicômio, conhecidos como depósitos de gente. De há muito demonstrado a sua ineficácia, principalmente no tratamento dos dependentes químicos, cuja metodologia de abstinência como única opção terapêutica é um método de tratamento falido. Quando usados, os doentes eram internados inúmeras vezes, voltando a situação em que se encontravam.

Para concluir, a nota técnica é uma nota dissonante. Cumpre à Procuradoria Geral da República, fiscalizar o referido ato do Coordenador Geral de Saúde Mental.

Plácido Faria
Advogado e comentarista político
placidofaria@yahoo.com.br

Ultimas Noticias

Pedidos de refúgio no Brasil podem ser feitos apenas pela internet

O Ministério da Justiça e Segurança Pública recebe, a partir deste domingo (15), exclusivamente pela internet todos os pedidos de refúgio no Brasil. Os...

Personagens de desenhos e vampiros são parte das fantasias sexuais de...

Uma pesquisa feita pelo psicólogo e sexólogo Justin Lehmiller com 4 mil americanos revelou que 25% deles têm fantasias sexuais com personagens de desenhos animados...

Pesquisadores demonstram beneficios do lítio para idosos com Alzheimer

Pesquisa desenvolvida no Brasil, em colaboração com cientistas estadunidenses, avança no entendimento dos efeitos benéficos do lítio para idosos com Alzheimer, doença que causa...

Vaso sanitário de ouro é roubado durante exposição

A polícia investiga o roubo de uma obra de arte exposta no Palácio Blenheim, em Oxfordshire, na Inglaterra, na madrugada do último sábado (14/09/2019). A peça...
Publicidade