Veja 4 tipos de preconceito que mulheres enfrentam no trabalho e como vencê-los

“A vida não é justa; acostume-se a isso. ” A famosa primeira das “11 regras que você nunca aprenderá na escola” de Bill Gates ecoa em todo mundo, mas provavelmente mais em mulheres do que homens. De acordo com o Índice Global de Lacuna de Gênero (Global Gender Gap Index), são necessários 108 anos para preencher essa diferença. Apesar de modelos econômicos clássicos sugerirem que a discriminação baseada em características como o gênero deve desaparecer naturalmente graças à competição, a realidade parece contar uma história diferente.

A falta de mulheres em setores dominados por homens e altamente remunerados, como os de ciência, tecnologia, engenharia e matemática, é frequentemente citada como um fator crítico por trás do hiato de gênero. Mesmo que as meninas apresentem desempenho tão bom quanto os meninos em testes padronizados de matemática e ciências na escola, menos mulheres consideram uma carreira profissional nesses campos. As mulheres parecem enfrentar diferentes obstáculos que têm pouco a ver com suas habilidades. Os estereótipos de gênero estão entre eles.

Quais são os estereótipos de gênero?

Enquanto os homens são geralmente retratados como tendo características como competência, orientação para realização, inclinação para assumir comando, autonomia e racionalidade, as mulheres estão associadas a características comuns, como preocupação com os outros, tendências a associação, deferência e sensibilidade emocional. Essas características não são apenas diferentes, elas tendem a ser opostas: leigos em média acreditam que os homens não devem ser excessivamente calorosos e que as mulheres não devem ser excessivamente dominantes. A pesquisa sobre essas generalizações tem sido extensa e mostra que elas são consistentes entre culturas, tempo e contexto.

Estereótipos geralmente servem como atalhos para formar impressões sobre pessoas e guiar nossas decisões, sem que elas estejam completamente cientes disso. Os preconceitos de gênero têm consequências importantes para o local de trabalho. Aqui estão alguns exemplos:

• Nenhum crédito onde o crédito é devido

Sempre que as mulheres estão trabalhando com homens em tarefas classificadas como masculinas, é mais provável que os homens sejam creditados pelos sucessos conjuntos e as mulheres sejam mais provavelmente culpadas por fracassos conjuntos. Essas expectativas negativas de desempenho só podem ser anuladas quando a contribuição individual da mulher é inquestionável ou sua competência é muito alta.

• Homens são promovidos em potencial, mulheres são promovidas por desempenho comprovado

Pesquisas mostram que as mulheres são submetidas a padrões mais rígidos de promoção: as mulheres promovidas têm classificações de desempenho mais altas do que os homens promovidos, e as classificações de desempenho estão mais relacionadas às promoções para mulheres do que para homens.

• O efeito backlash: competente, mas autoritária e desagradável

Quando as mulheres contra-atacam seu estereótipo e quebram as expectativas sobre como elas “devem” se comportar, elas pagam o custo: as mulheres dominantes são percebidas como menos agradáveis do que os homens. Uma pesquisa de 2016 com mais de 30.000 funcionários descobriu que as mulheres que negociavam promoções eram 30% mais propensas que os homens a serem rotuladas como intimidadoras, mandonas ou agressivas.