Governo e Arquidiocese firmam parceria para conservar patrimônio histórico

O projeto baiano de reabilitação, patrimônio e turismo, nos mesmos moldes do Programa ‘Revive’, de Portugal, ganhou um reforço. O Governo do Estado e a Arquidiocese de São Salvador assinaram um protocolo de intenções, nesta segunda-feira (2), para identificar imóveis históricos da igreja católica que possam integrar o Revive Bahia e criar uma rota turística, cultural e religiosa. A parceria, firmada em visita ao Convento da Lapa, também visa apoiar a criação de um Centro de Restauro e Conservação, com capacitação de jovens restauradores.

A ideia, explicou o vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico, João Leão, é fomentar o desenvolvimento de uma cultura preventiva de manutenção e conservação do patrimônio histórico baiano, integrando também turismo e cultura. “Espero que o nosso Revive tenha o mesmo sucesso que o Revive de Portugal. Precisamos apostar na juventude, pois ela é responsável por reparar o que gerações mais antigas não fizeram pela preservação do patrimônio histórico baiano”, afirmou.

O arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, destacou que a capital baiana “tem uma riqueza religiosa, cultural e gastronômica que a cidade não conhece. Aqui é a história. Temos que criar uma mentalidade de preservação e valorização do nosso patrimônio. Precisamos para isso unir igreja, governo e iniciativa privada”.

A Secretaria de Cultura (Secult), por meio do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac), também celebra a parceria para cuidar do patrimônio existente nas igrejas e conventos baianos. “Importantíssima essa iniciativa de envolver a juventude numa ação de educação dentro destes locais que são as igrejas e conventos que pulsam a cultura, que contam a nossa história”, ressaltou a secretária de Cultura, Arany Santana.

Na ocasião, o secretário do Turismo, Fausto Franco, informou o funcionamento do projeto Revive em Portugal, que se tornou referência de sucesso. “A nossa ideia é colocarmos em prática esse exemplo, que é pegar os sítios históricos abandonados ou subutilizados e transformá-los em equipamentos turísticos, considerando que o segmento é uma forma rápida de gerar emprego e renda. E cabe a nós viabilizarmos essas estruturas para que, de fato, a iniciativa privada possa tocar esses projetos”, disse.

Segundo o diretor-geral do Ipac, João Carlos de Oliveira, ter a Arquidiocese de Salvador como parceira desse projeto gerará grandes frutos. “A finalidade principal é, de forma inteligente, identificarmos quais são os patrimônios que estão subutilizados ou em risco, para que possamos ter uma agenda propositiva para renovar o uso e fazer uma dinâmica adequada”.

A visita guiada ao Convento Nossa Senhora da Conceição da Lapa, em Salvador, foi promovida pela comissão arquidiocesana de arte sacra. O local está passando por intervenções de restauro e conservação, conduzidas pela Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC).