Samu registra redução do número de atendimentos em agosto

Foto-Bruno-Concha_Secom_

Após cinco meses de fluxo intenso no número de atendimentos, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) registrou, no mês de agosto, a maior queda de chamadas desde o início da pandemia. Nos três primeiros meses, a contar de março, o aumento de pacientes foi bastante significativo. Em março, foram registrados 11.375 mil atendimentos, em abril o número elevou para 14.047 mil e em maio subiu para 16.166 mil.

A partir de junho, os índices começaram a cair, totalizando 13.048 mil. Em julho, seguiu decrescendo, alcançando 11.021 mil. E em agosto, teve uma redução ainda maior, fechando o mês com 8.511 mil atendimentos. De acordo com o coordenador de Urgência e Emergência de Salvador, o médico Ivan Paiva, antes da pandemia a média de era de 8 mil.

“Com a chegada a doença, logo nos primeiros meses, tivemos um grande crescimento e chegamos a quase o dobro, com 16 mil atendimentos em apenas um mês. Além disso, nossa central 192 registrou um crescimento expressivo no número de chamados para tirar dúvidas e solicitar informações”, afirma.

“Mesmo com a queda em agosto, o número ainda foi acima do que a gente atendia antes da pandemia, mas dentro de uma variação normal. A gente tem feito ainda muitas transferências das UPAS para os leitos de UTI e enfermaria para tratamento da Covid-19, uma atribuição que não era nossa e passou a ser durante a pandemia. Esse é um fator que deve ser levado em consideração quando falamos em aumento do nosso número de pacientes atendidos”, acrescenta Paiva.

Mais atribuições – Durante a pandemia, o Samu também montou uma equipe para implantação do Serviço de Verificação de Óbito (SVO), atribuição que não pertencia ao serviço. De acordo com o coordenador, esses profissionais atuam nos domicílios para constatar os casos de mortes em casa.

“Na Bahia, não tinha o SVO e algumas pessoas estavam morrendo em casa e ficando por dias lá com a suspeita de Covid-10. Essa equipe às vezes amanhece o dia trabalhando. Já chegamos a atender 20 casos de óbitos por noite. Hoje, estamos com uma média de 5 ou 6 e muitos desses não são pacientes de coronavírus”, explica.

Paiva destaca ainda que muitos pacientes atendidos apresentam sintomas da Covid, como insuficiência respiratória, por exemplo. No entanto, ressalta que a maioria dos atendimentos realizados pelo Samu estão relacionados com outras demandas. “Temos várias outras doenças e um número expressivo de acidentes no trânsito, principalmente com motos”.

“Cachorro do Mato” é capturado dentro de residência na Boca da Mata; vídeos

Na tarde de quarta-feira (12), um Cachorro do Mato, espécie muito parecida com uma Raposa, foi capturada por agentes da Guarda Civil Municipal de Salvador, lotados no...

Ladrão de topic ataca com simulacro de pistola em São Cristóvão e é salvo por evangélica

Um ladrão resolveu atacar passageiros do transporte alternativo com um simulacro de pistola, em frente ao supermercado Maxxi de Lauro de Freitas, na tarde de quarta-feira (12/05)....

E agora José? Povo descobre que ladrão estava com simulacro de pistola em Paripe

Um homem tentou assaltar uma farmácia no final da tarde de quarta-feira (12/05) no bairro de Paripe, subúrbio ferroviário de Salvador. O marginal estava com um simulacro...

Embasa conclui manutenção emergencial antes do prazo e fornecimento é retomado em localidades de Simões Filho e subúrbio de Salvador

A Embasa informa que concluiu antes do prazo a manutenção emergencial em equipamento do sistema de abastecimento de água e o fornecimento de água já está sendo...