MP recomenda aos municípios de Nova Soure e Cipó que garantam doação de sangue pela população LGBTI

As secretarias de Saúde dos municípios baianos de Nova Soure e Cipó foram recomendadas pelo Ministério Público estadual a garantir o imediato acesso à realização de doação de sangue por homossexuais e toda população LGBTI (gays, bissexuais, transexuais, travestis, intersexo…), sem discriminação em razão da orientação sexual ou identidade de gênero. As recomendações, de autoria do promotor de Justiça Fábio Brito Miranda, visam combater a discriminação, promover a igualdade de tratamento e diminuir o decréscimo no volume de doações sanguíneas. Nos documentos, ele lembra da situação de pandemia da Covid-19 e do consequente nível crítico dos estoques de sangue no estado, noticiado recentemente pela Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia (Hemoba).

O promotor de Justiça também recomenda às secretarias e aos demais órgãos públicos ou privados responsáveis por assegurar a doação e os estoques de sangue nos municípios que sejam apresentados novos protocolos para a doação por todas as pessoas, sem discriminação em razão de sua orientação sexual ou identidade de gênero, no que concerne às pessoas LGBTI. Além disso, os municípios deverão dar ampla publicidades nos meios oficiais de comunicação sobre a possibilidade da doação de sangue por parte da população LGBTI, a fim de concretizar efetivamente o direito à igualdade.

Para elaboração do documento, Fábio Miranda observou dispositivos legais e destacou que o Supremo Tribunal Federal, por maioria, julgou procedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) n°.5543 e declarou a inconstitucionalidade de dispositivos que versavam sobre a suposta inaptidão temporária para indivíduos do sexo masculino que tiveram relações sexuais com outros indivíduos do mesmo sexo para a realização de doação sanguínea nos 12 meses subsequentes a aludida prática. O STF, por intermédio do julgamento da Adin, “constatou a existência de dispositivos normativos discriminatórios injustificáveis nos citados documentos legais, os quais são capazes de estigmatizar pessoas como potencial grupo de risco apenas em virtude de sua orientação sexual, o que não há sentido em existir, restringindo-os o direito à pratica de um ato solidário como a doação sanguínea, em prol de preconceitos insustentáveis”, explica o promotor.

Mulher revela que Ivete Sangalo salvou criança de afogamento em Praia do Forte

Uma mulher revelou nas redes sociais que a cantora Ivete Sangalo salvou seu sobrinho de um afogamento. O ato da artista teria ocorrido no último sábado (24/10),...

TCA em Casa divulga programação da última semana de outubro

Fechando o mês de outubro, o Teatro Castro Alves (TCA) segue em seu ‘TCA em Casa’. A agenda online mantém as atividades de difusão da arte e...

Museu Geológico da Bahia realiza 22ª edição da Semana da Criança

A 22ª edição da Semana da Criança, evento anual promovido pelo Museu Geológico da Bahia (MGB), que ocorre entre os dias 26 e 28 outubro, terá programação...

Secult lança prêmio para Pontos de Cultura pelo Programa Aldir Blanc Bahia

A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA), através da Superintendência de Desenvolvimento Territorial da Cultura (Sudecult) lança, nesta quarta-feira (21), mais um edital do Programa...