Partido certo: os bastidores das vitórias de Anderson Ninho, Marcelo Maia e Sandro Bahiense em Salvador

O que eles tem em comum? São líderes comunitários, recursos escassos na campanha, vitórias nas urnas e ainda escolha partidária correta aos 45 minutos do segundo tempo. Estamos falando de Anderson Ninho (PDT), Marcelo Maia (PMN) e Sandro Bahiense (Patriota), que foram eleitos vereadores de Salvador para a próxima legislatura (2021-2024). Ambos já tinham disputado eleições e sempre bateram na trave. Um dos motivos? A escolha partidária.

Anderson Ninho

O primeiro citado, Anderson Ninho, na campanha de 2016, obteve 6.384 votos e seu partido era o Solidariedade. Ninho tinha tudo para ser eleito naquele ano, mas uma coligação feita com o PV complicou sua situação. Resultado, ficou na suplência e nunca assumiu o tão sonhado mandato.

Agora, com muito sacrifício e mesmo diante de um desgaste natural devido a mais uma eleição, o jovem de Dom Avelar surpreendeu. Em um cenário com abstenção de mais de 26,46% (500 mil votos), a maior das últimas duas décadas, ele garantiu 5.289 eleitores, sendo o mais votado do PDT e na frente de figuras como Henrique Carballal e Odiosvaldo Vigas. Porém, tudo caminhava para Ninho disputar a cadeira de vereador pelo Republicanos e esse era o desejo de algumas caciques. Mas uma ligação despertou o líder comunitário, que articulou, brigou e conseguiu entrar na sigla comandada na Bahia pelo deputado federal Félix Júnior e nacionalmente por Carlos Lupi. Ambos avalizaram a entrada.

Se o destino fosse o que estava programado, o Republicanos, Ninho seria apenas o terceiro suplente, atrás de Alberto Braga, que teve 7.516, e Kel Torres, que garantiu 6.346. Ou seja, soube analisar o cenário e teve coragem para mudar de partido.

Marcelo Maia

Eleito com 3.460 votos, Marcelo Maia garantiu a última cadeira da CMS no PMN. Na disputa anterior, teve 2.308 pelo PMDB, legenda que pressionou para que ele continuasse. Mas Maia tinha certeza que naquele partido sua conta eleitoral não alcançava o objetivo e era quase impossível ser eleito. Para se ter uma ideia, se fosse candidato pelo MDB, ele seria apenas o quinto colocado. A sigla elegeu dois: Geraldo Júnior e Maurício Trindade.

Além disso, o vereador eleito atua em uma região extremamente politizada: Brotas. Seus eleitores e lideranças, diante da percepção que o mesmo não teria chance de vitória, abandonaria o barco.

Chama atenção também a forma que foi feita a campanha do administrador, que gastou menos de 5 mil reais. Sim, esse foi o valor real. Foi uma campanha feita com voluntários e “no amor”. Muitas vezes, o líder do Engenho Velho de Brotas, onde teve mais de 80% da sua votação, não tinha dinheiro nem para colocar gasolina no seu carro de som Celta, modelo antigo. Alguns colegas chegaram a escrever o número e o nome de Maia com caneta azul em pedaços de papel. Enfim, o bairro do Engenho Velho de Brotas provou que há esperança.

Sandro Bahiense

Oriundo da Liberdade, Sandro Bahiense, também conhecido como “China” ou “Pregador da Paz”, seria candidato pelo Avante, do Pastor Sargento Isidório. Porém, ele sabia que a rejeição do deputado federal poderia lhe atrapalhar. Além disso, sempre teve uma forte ligação com Bruno Reis, prefeito eleito. E agora, para qual partido seguir se ninguém lhe aceitava, já que o mesmo era um potencial candidato e na última eleição quase bate 4 mil votos?

Bahiense foi sagaz e teve paciência. Queriam que ele fosse para o Republicanos, onde seria apenas suplente. Costurou com habilidade o caminho para a entrada no Patriota, partido que foi eleito com 6.798 votos. O chefe de segurança de um importante shopping da capital articulou a filiação e teve ajuda ainda de “amigos em comum” com Jean Sacramento, que é o presidente da legenda. Deu certo e foi aceito.

Uma vez com o partido garantido, Bahiense sabia que metade da eleição estava garantida, mas ainda faltava o mais difícil. Garantir votos “sem dinheiro” fora do seu principal reduto, a Liberdade. O “Pregador da Paz” conseguiu avançar por toda Salvador. Agora, é manter o trabalho e não decepcionar os exigentes eleitores.

ACM Neto ironiza Jaques Wagner: “não querer que a gente comemore é demais, né?”

O prefeito de Salvador e presidente nacional do Democratas, ACM Neto, ironizou a declaração dada pelo senador Jaques Wagner na manhã de hoje. O petista afirmou que...

Bahia registra 1.652 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 1.652 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,4%) e 1.857 recuperados (+0,5%). Dos 403.071 casos confirmados desde o...