Volta às aulas: confira o que as escolas podem e não podem exigir

Com o início do ano letivo, os pais já estão se movimentando para a compra do material escolar e didático nessa volta às aulas. Porém, neste momento, surge a dúvida: é necessário comprar todos os itens solicitados na lista enviada pela escola? O que pode e o que não pode ser exigido?

É importante, também, saber quais são os reajustes permitidos e o que pode ser negociado com as escolas. “os estudantes não são obrigados a pagar adicional ou fornecer qualquer material administrativo ou escolar de uso coletivo, assim como produtos de limpeza e higiene. As listas devem conter apenas materiais necessários para atividades pedagógicas diárias do aluno”, afirma o advogado e consultor jurídico em direito do consumidor, George Araújo.

Os pais ou responsáveis podem perguntar quando determinados materiais serão utilizados. Se for para uma atividade que só vai acontecer no segundo semestre, não é preciso comprar agora. O fornecimento integral do material escolar no início do ano letivo é facultativo. O consumidor pode realizar a entrega parcial dos materiais, segundo os quantitativos estabelecidos por período, desde que respeitada a antecedência mínima de oito dias da unidade.

Embora não seja permitido, ainda é comum algumas escolas exigirem o local que o material escolar deve ser comprado.

“Se houver imposição da escola para que o pai ou aluno efetue a compra em determinado local, se caracteriza o que nós chamamos de “venda casada”, ferindo o direito de liberdade de escolha do próprio consumidor, afrontando a legislação consumerista”, acrescenta Araújo.

O especialista destaca ainda que a lista de material deve ser divulgada de maneira antecipada para que os pais possam realizar as pesquisas de preço e de entrega em todos os locais que acharem adequados.

“Nesse período de pandemia, é importante reiterarmos a questão do bom senso e do consenso. Os pais, verificando uma possível afronta, descumprimento de lei, abuso ou aumento excessivo no valor dos materiais, devem entrar em contato com a escola de forma administrativa, questionando e pedindo informações adicionais sobre o porquê de tal exigência. Caso efetivamente seja caracterizada uma ilegalidade, os pais devem procurar um advogado de sua confiança para que se busquem maiores esclarecimentos e orientações para que, aí, sim, a reclamação possa ser direcionada ou ao Procon, ou até mesmo ao poder judiciário”, conclui o advogado.

“Bala perdida”: Homicídio de vendedor revolta moradores de Pau da Lima

O homicídio de um jovem trabalhador na noite de quinta-feira (24/06), feriado de São João, revoltou os moradores de Pau da Lima, em Salvador. O crime aconteceu...

Cotações mostram equilíbrio na luta que vai definir primeiro desafiante do cinturão de Charles do Bronx

Após conquistar o cinturão do UFC em maio deste ano, o lutador Charles do Bronx aguarda para descobrir quem será o primeiro desafiante a enfrentá-lo. O brasileiro...

Ministro Gilmar Mendes estende suspeição de Moro em relação a Lula a mais duas ações penais

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), anulou todos os atos decisórios processuais e pré-processuais em outras duas ações penais em que o ex-juiz da...

Mulher torturada por traficantes do São Gonçalo do Retiro não resiste

Espancada por traficantes em um beco do São Gonçalo do Retiro, na noite do dia 20 de junho, Tacia Fabiana Inácio dos Santos, conhecida como “Tácia Mel”,...