Casa do Carnaval completa três anos de funcionamento nesta sexta (5)

A Casa do Carnaval, museu que conta a história da folia em Salvador, completa três anos de funcionamento nesta sexta-feira (5). O equipamento, gerido pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), é responsável por preservar e disseminar a história da festividade que está intrinsecamente ligada à cultura da capital baiana. Neste ano atípico, em que soteropolitanos e visitantes não irão às ruas celebrar o Carnaval em fevereiro, o museu é uma alternativa para não deixar a alegria característica do período se esvair, mas com a segurança necessária que o momento requer.

O titular da Secult, Fábio Mota, reforçou que a cidade tem muito a celebrar com o funcionamento do espaço. “A Casa do Carnaval é um indutor de turismo importante da cidade e temos muito que comemorar. Este é o maior equipamento de museologia do Carnaval no mundo e está aqui em Salvador. Mais de 40 mil pessoas já passaram pelo local e isso nos dá muito orgulho”, destacou o secretário.

O equipamento cultural está funcionando de terça a domingo, das 10h às 16h. Os ingressos custam R$30 (inteira) e R$15 (meia). Para mergulhar na história da festa é preciso seguir os protocolos sanitários durante a visitação. O distanciamento é de 1,5 m na fila e deve ser seguido durante toda a visita. Além disso, só podem acessar a bilheteria quatro pessoas da mesma família ou uma pessoa por vez. A aferição de temperatura é realizada antes do acesso à bilheteria.

A lotação máxima permitida é de 30 pessoas e a permanência máxima de 1h no museu. Além disso, é obrigatório o uso da máscara e é proibido o consumo de alimentos e bebidas durante toda a permanência no local. Também estão suspensas temporariamente as visitas guiadas e o agendamento de visitas para grupos.

Ambientes e acervo – Situada na Praça Ramos de Queirós, ao lado do Plano Inclinado Gonçalves, no Pelourinho, o espaço é dividido em quatro pavimentos. No térreo, é possível encontrar uma biblioteca de livros relacionados à festa, suas artes e tradições. No mesmo andar, é possível visitar as salas “Origens do Carnaval” e “Criatividade e Ritmos do Carnaval”, apresentando diversidade presente no carnaval baiano.

Uma parte do acervo é formada por obras de artistas plásticos que representam o carnaval por meio dos quadros, esculturas e máscaras que remetem aos antigos carnavais. Há também 200 bonecos feitos de cerâmica que representam figuras típicas da folia.

No primeiro andar, as duas salas do Cinema Interativo permitem ao visitante assistir uma seleção de três vídeos que estimula a dançar com as coreografias de blocos e bandas, orientados por monitores dançarinos segue em pleno funcionamento – o uso de adereços para caracterização, que são disponibilizados pelo museu, está vetado durante este período de pandemia. Na cobertura, os visitantes podem, ainda, desfrutar de uma área com uma bela vista para a Baía de Todos-os-Santos e boa parte da Cidade Baixa, desde o Comércio até a Ponta de Humaitá.

Câmara aprova projeto que prorroga entrega do IR até 31 de julho

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (13) a prorrogação, até 31 de julho de 2021, do prazo para entrega da declaração de Imposto de Renda da...

Três consequências do beijo para a saúde oral

Beijoqueiros, este artigo é para vocês. Hoje celebra-se o Dia do Beijo e, antes que se apressem nas comemorações, a Impress apresenta três consequências, boas e más,...

Funcionários da LG entram em greve por manutenção de empregos

Os trabalhadores da fábrica da LG em Taubaté, no interior paulista, entraram em greve para que a empresa mantenha 430 postos de trabalho. Na semana passada, a LG...

Vinte quilos de maconha são apreendidos em Senhor do Bonfim

A droga estava enterrada numa plantação de aipim, localizada em uma chácara, onde também foram apreendidos dinheiro, cocaína e balanças Vinte quilos de maconha, uma porção de...