Estudo britânico identifica duas novas espécies de dinossauros

Estudo liderado por paleontólogos da Universidade de Southampton identificou fósseis de dinossauro encontrados na ilha de Wigth, no Reino Unido, como pertencentes a duas novas espécies.

A investigação publicada na Scientific Reports permitiu associar os fósseis descobertos na praia de Brighstone, ao longo de vários anos, com o grupo de dinossauros terópodes da família dos espinossauros, que tinham características que lhes permitiam caçar na terra e na água.

No total, o conjunto identificado no estudo divulgado é composto por cerca de 50 ossos recuperados por colecionadores e por uma equipa do Dinosaur Isle Museum, em Sandown, onde ficarão em exibição.

O único esqueleto de um espinossaurídeo existente no Reino Unido foi descoberto em 1983 numa pedreira em Surrey, tendo sido recuperados apenas mais alguns dentes e ossos isolados.

Embora os esqueletos estejam incompletos, os pesquisadores estimam que os dinossauros mediam cerca de nove metros de comprimento, diz o estudo, ao admitir também que os espinossaurídeos podem ter evoluído pela primeira vez na Europa, antes de se dispersarem pela Ásia, África e América do Sul.

“Esse trabalho reuniu universidades, o Dinosaur Isle Museum e o público para revelar esses incríveis dinossauros e a ecologia diversa da costa sul da Inglaterra, de 125 milhões anos atrás”, salientou Neil Gostling, da Universidade de Southampton que supervisionou a investigação.

Martin Munt, curador do Dinosaur Isle Museum, classificou a descoberta de grande relevância para consolidar o estatuto da Ilha de Wight como um dos principais locais de fósseis de dinossauros em toda a Europa.

Últimas Noticias

Em leilão sem disputa, governo do RS vende estatal de gás

O controle da Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (Sulgás) foi privatizado hoje (22) em...