Dezoito mortos confirmados em operação no Complexo do Alemão

A operação conjunta das polícias Militar e Civil, no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio de Janeiro, nesta quinta-feira (21/07), deixou 18 mortos, entre eles um policial militar e uma mulher que passava de carro. A confirmação foi feita pelas autoridades policiais durante entrevista coletiva.

A ação tinha como alvo uma quadrilha de roubo de veículos. O subsecretário operacional da Polícia Civil, Ronaldo Oliveira, disse que preferia que “eles não tivessem reagido” e que a polícia tivesse “prendido os 15 ou 14” – foram confirmados os 16 suspeitos mortos logo depois.

A ação se torna a quarta operação policial mais letal da história do Rio. As duas primeiras foram no Jacarezinho (28 mortos) e na Vila Cruzeiro (25 óbitos). A terceira mais letal foi em 2007, quando morreram 19 pessoas em uma ação na Baixada Fluminense.

Segundo o comandante do Batalhão de Operações Policiais (Bope), Uirá Nascimento, entre os homens que entraram em confronto com a polícia estavam criminosos que usavam fardas similares a de policiais civis e militares.

Representantes das duas corporações também lamentaram as mortes do policial Bruno de Paula Costa – que deixa dois filhos autistas – e da moradora Letícia Marinho de Sales, de 50 anos, moradora baleada dentro do carro — segundo parentes, por um policial. A Delegacia de Homicídios investigará as mortes.

Durante a coletiva o coordenador da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil, Fabrício Oliveira, reclamou do que chamou de “narcoativistas” – pessoas, segundo ele, usadas por criminosos para fazer “baderna” durante as ações. “É evidente que se houver críticas e denúncias em relação a ação da polícia elas serão investigadas, porém o que a gente está falando é que os criminosos estão obrigando parte da população para causar uma desordem durante a ação policial”, afirmou.

Até a coletiva, a Polícia Militar tinha confirmado cinco mortos na operação, nesta quinta-feira (21), no Complexo do Alemão, na Zona Norte do Rio. A ouvidoria da Defensoria Pública e a Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil já afirmavam que havia pelo menos mais 15 corpos deixados na UPA, além dos 5 mortos no Hospital Getúlio Vargas, na Penha, relatados incialmente pela polícia.

A ação teve ainda 4 presos na Favela da Galinha e localizou uma metralhadora .50 (capaz de derrubar helicóptero), quatro fuzis e duas pistolas. Além disso, 48 motos foram apreendidas.

Últimas Noticias

Bolsonaro diz que vai manter zerados impostos federais de combustíveis

Candidato à reeleição pelo PL, o presidente Jair Bolsonaro prometeu manter no próximo ano a isenção de impostos federais...