Exemplo de imagem responsivaGoverno do Estado da Bahia
Informe Baiano
Exemplo de imagem responsiva Prefeitura de Salvador

Horta comunitária do CSU de Castelo Branco leva alimentos orgânicos para famílias em situação de vulnerabilidade social

A implantação da horta comunitária no Centro Social Urbano (CSU) transformou a realidade das pessoas que frequentam o local e dos moradores do bairro Castelo Branco, em Salvador. Mantida em parceria com o Instituto Humana Brasil, a horta comunitária do CSU de Castelo Branco oferece alimentação saudável e de baixo custo as famílias em situação de vulnerabilidade social com o plantio orgânico de legumes, frutas e hortaliças.

A primeira horta foi desenvolvida em 2018 em uma das áreas de vegetação do CSU de Castelo Branco, equipamento da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia (SJDHDS).

As ações de plantio e colheita envolvem jovens e adultos que fazem parte dos projetos Jovens do Futuro, Futuro Aberto e Karatê, mantidos pela Humana Brasil, além de idosos que participam de outras atividades do CSU de Castelo Brasil. As colheitas são divididas entre os frequentadores do espaço, como também são comercializados a preço de custo para os moradores e distribuídos para as famílias carentes que vivem em torno do bairro. O valor arrecadado com a venda dos alimentos é investido na compra de insumos para a manutenção da horta comunitária.

O projeto, de acordo com o técnico em agropecuária do Instituto Humana Brasil, Júlio Ramos, visa incentivar a comunidade a produzir e comercializar alimentos orgânicos como fonte de renda, além capacitar jovens e adultos na produção agrícola como forma de inserir no mercado de trabalho e contribuir na preservação do meio ambiente.

“Estamos levando alimento para quem mais precisa, mas também dando alimentação de qualidade já que são produtos orgânicos. Tudo que nós plantamos aqui, a gente vende com um preço acessível para comunidade e esse dinheiro é revestido para compra de insumo como adubo e defensivos orgânicos”, explicou Ramos.

De acordo com a coordenadora do CSU Castelo Branco, Rose Rian, a ação auxilia na melhoria da renda da comunidade e permite a cuidar do meio ambiente. “A incentiva é muito importante para a comunidade porque é uma forma de se produzir renda, e ter o cuidado com meio ambiente e fazer com que o alimento chegue na mesa sem nenhum produto químico que favorece a qualidade de vida”, afirma Rose Rian.

Fundação Jose Silveira
Prefeitura Porto Seguro

Populações periféricas são mais vulneráveis à dengue

"O meu homem-aranha está amuado, tristinho. É tão estranho”. A auxiliar de serviços gerais Juliana Pereira, de 28 anos...