Governo do Estado da Bahia

Delegado libera homem com tatuagens nazistas e racistas: “Que se f*da o STF”

Um homem encaminhado para delegacia por um cidadão comum porque tinha no corpo tatuagens nazistas e racistas foi liberado logo em seguida pelo delegado, apesar do flagrante crime de apologia ao nazismo, conforme a lei n° 9.459/97. A pena prevista é de dois a cinco anos de reclusão. O caso aconteceu no Rio de Janeiro.

Entre os símbolos que o bandido usava estava tatuagens uma suástica (Partido Nazista) e um sol negro, que também é usado em referência ao nazismo. A terceira tatuagem era a frase “white pride”, que significa “orgulho branco”.

O policial que atendeu o caso deu definições da suástica e do sol negro sem citar sua ligação ao nazismo e à Adolf Hitler no século 20. Ele tenta dar explicações mitológicas para as tatuagens, sem incluir o racismo no registro.

Pós-graduando em Justiça e Segurança Pública na UFF, Leonardo Guimarães avistou as tatuagens e chamou a polícia para resolver o caso. Ele afirma que foi chamado de “comunista gayzista estudantezinho” pelo policial, que teria pedido desculpa ao apologista nazista e dito que ele poderia usar o que quisesse.

a5a87a24 dddc 4319 8b3b aa180a45d32f

Ao questionar a posição do policial, explicando que o STF dizia que aquilo não era liberdade de expressão e sim crime, o policial teria afirmado.

“Que se f*da o STF. O STF fica legislando, não tenho nada a ver, ele não manda nessa delegacia”, escutou Guimarães, que relatou o caso ao UOL. A Polícia Civil do Rio nega que tenha sido feita “qualquer opinião ou ofensa” por parte dos agentes da 9ª DP da Polícia Civil.

7f16b6ff 4e9b 4bf0 b529 4c1d862e2279

Fundação Jose Silveira
Prefeitura Municipal de Savaldor

Em Ubatã, PRF recupera uma motocicleta roubada há quase 40 anos

Na última segunda-feira (26), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) recuperou uma motocicleta roubada há quase 40 anos. O incidente...