Exemplo de imagem responsivaGoverno do Estado da Bahia
Informe Baiano
Exemplo de imagem responsivaGoverno do Estado da Bahia

Abril Lilás: câncer de testículo tem mais de 95% de chance de cura se descoberto no início

O Abril Lilás é uma campanha que surgiu para alertar sobre o Câncer de Testículo. Apesar deste tipo de câncer ser considerado raro, é responsável por até 5% das incidências de câncer em homens. A maioria dos casos tem cura, mas é necessário detectar a doença o quanto antes, pois a sua progressão é acelerada.

“É importante lembrar que apesar de raro, o câncer de testículo é altamente curável. Com o tratamento precoce, as chances de cura podem chegar a mais de 95%. O maior risco de recidiva da doença está nos primeiros 2 a 3 anos do diagnóstico, embora o acompanhamento próximo se mantenha ao longo dos primeiros 5 anos”, afirma o urologista Jailton Campos.

O autoexame ajuda a identificar suspeitas sobre este tipo de câncer, que, apesar de raro, atinge os homens em idade reprodutiva, entre 15 e 50 anos, e é o predominante nesta faixa etária, sendo que a fase de maior incidência no mundo é entre 15 e 34 anos.

Para conscientizar a população masculina sobre a importância da prevenção do câncer de testículo, é realizada a campanha Abril Lilás, que tem como objetivo alertar sobre os sintomas da doença e incentivar a realização dos exames preventivos.

“Os sintomas da doença são: nódulo ou inchaço no testículo; crescimento ou dor na mama; e, em casos avançados: dor na parte inferior das costas; falta de ar, dor no peito e tosse (pode demonstrar que a doença atingiu os pulmões); dor abdominal (podendo ter atingido o fígado);dor de cabeça e confusão (podendo ter atingido o cérebro). Vale destacar que o câncer pode ser detectado através do autoexame, exames de sangue e ultrassom com doppler”, acrescenta Campos.

O profissional mais indicado para uma inicial avaliação dos sinais e sintomas é o médico Urologista. O tumor de testículo corresponde a 5% do total de casos de câncer entre os homens. É facilmente curado quando detectado precocemente e apresenta baixo índice de mortalidade.

Apesar de raro, preocupa porque a maior incidência é em homens em idade produtiva – entre 15 e 50 anos. Nessa fase, há chance de ser confundido, ou até mesmo mascarado, por orquiepididimites (inflamação dos testículos e dos epidídimos (canais localizados atrás dos testículos e que coletam e carregam o esperma) geralmente transmitidas sexualmente.

Infelizmente não há métodos cientificamente comprovados para prevenção do câncer de testículo. Esta neoplasia está mais relacionada à história prévia de criptorquidia (crianças que nascem sem o testículo dentro da bolsa testicular), em especial quando não corrigida ou se corrigida de forma tardia (após os 2 anos de idade). Outros fatores de risco incluem a história pessoal e/ou familiar de neoplasia de testículo e desenvolvimento testicular anormal.

Na maioria das vezes esses tumores são assintomáticos (não dolorosos), portanto o fato de não doer não deve ser impeditivo para não procurar ajuda médica. É de extrema importância procurar atendimento médico todas as vezes que notar um sintoma suspeito. Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, maior a probabilidade de cura com tratamentos mais simples”, conclui o urologista Dr. Jailton Campos.

Fundação Jose Silveira
Prefeitura Porto Seguro

Populações periféricas são mais vulneráveis à dengue

"O meu homem-aranha está amuado, tristinho. É tão estranho”. A auxiliar de serviços gerais Juliana Pereira, de 28 anos...