Deputado bolsonarista esculhamba estudantes na Câmara: “maconheiros”

Uma enorme confusão se formou na tarde desta quarta-feira (22/5) durante uma audiência pública na Câmara dos Deputados, em Brasília, que tratava sobre o contingenciamento do orçamento imposto pelo governo federal à Educação superior e básica. Em um vídeo gravado no momento da balbúrdia, é possível ver o deputado goiano Delegado Waldir, líder do PSL na Câmara, visivelmente alterado. Aos gritos, o parlamentar chama os estudantes presentes de “maconheiros” e manda “ir trabalhar” o professor que filmava todo o ocorrido.

A audiência pública, que teve início por volta das 9h30 de hoje, estava prevista para terminar às 14h, mas foi encerrada em meio a um verdadeiro pandemônio. Isso porque, conforme havia sido combinado no início da audiência, representantes da União Nacional dos Estudantes (UNE) e da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) teriam direito à palavra antes do encerramento. Entretanto, parlamentares da base governista não aceitaram. O deputado Delegado Waldir foi um deles.

No vídeo obtido pela nossa reportagem, é possível ver o deputado gritando “maconheiros!” – se referindo aos estudantes presentes que teriam a palavra. Num dado momento, o dono da filmagem grita para o parlamentar: “Vou mostrar lá em Goiás como o senhor trata os estudantes!”. O deputado, então, parece se irritar mais, e grita em resposta: “Pode mostrar! Petista! Vai trabalhar!”, ao que o homem responde “Não sou petista, deputado! Me respeite, sou professor universitário!”.

Deputado Delegado Waldir disse que “universidades federais são zonas de livre consumo de drogas”
À reportagem do Dia Online, o deputado Delegado Waldir explicou sua exasperação. Segundo ele, a audiência pública acontecia desde a manhã, e todos – incluindo o ministro da Educação, Abraham Weintraub, que estava presente – estavam cansados e não tinham almoçado, e que não seria correto os representantes das entidades estudantis terem a palavra, uma vez que alguns deputados também não tinham se manifestado. “Tinha mais 50 deputados para falar, e a quatro minutos de encerrar a audiência, a presidente da mesa, que é do PCdoB, disse que iria dar a palavra para o pessoal da UNE!”, contou.

O deputado comentou o teor do debate na audiência, e disse que as universidades federais eram “zonas de livre consumo de drogas”. “Olha o que aconteceu ontem! As drogas que a Rotam apreendeu lá naquela casa da UFG! E nas universidades federais a PM não pode entrar, aí vira festa, elas viram zonas de livre consumo de drogas. As universidades, mas os institutos federais não! Os institutos são espetaculares!”, disse.

Professor que filmou Delegado Waldir disse que fala de estudantes já estava programada
Ouvido pela reportagem do Dia Online, o professor da Escola de Agronomia da UFG, Flávio Alves, autor do vídeo da confusão na Câmara, comentou o ocorrido. Segundo o professor, que também preside o Sindicato dos Docentes das Universidades Federais de Goiás (Adufg), a fala dos representantes da UNE e UBES, que foi impedida por deputados da base do governo, já estava programada.

“No início da audiência, foi combinado que os estudantes teriam direito à fala pouco antes do encerramento. O deputado Delegado Waldir chegou posteriormente, por isso não viu”, explica.

O professor e agrônomo também falou sobre a reação do deputado ao ser visto filmado. “Quem tentou impedir os estudantes de falarem foi a tropa de choque do governo, que inclui o Waldir. Ele não é normal. Se fosse outra pessoa, eu diria que ele estava sob efeito de maconha, mas como era ele… Ele se comporta de forma agressiva em todo lugar”, finaliza.