Médico que matava pacientes para liberar leitos de Covid-19 é preso

O médico responsável pelo pronto-socorro do hospital de Montichiari, na província de Bréscia, na Itália, foi acusado de adotar uma prática totalmente fora dos protocolos: a aplicação de doses mortais de remédios inapropriados em pacientes internados com sintomas graves da Covid-19. As situações ocorreram em março do ano passado quando a Itália vivia o auge da primeira onda da pandemia.

O caso se tornou público na última segunda (25/01), depois que Carlo Angelo Mosca, 47 anos, recebeu ordem de prisão preventiva domiciliar porter matado intencionalmente pacientes com o anestésico propofol e succinilcolina, um bloqueador neuromuscular. Essas substâncias potentes são indicadas para situações de intubação pela traqueia, procedimento a que as vítimas não foram submetidas.

Na sexta (29/01), Mosca foi interrogado por duas horas e meia no Tribunal de Bréscia. Ele negou as acusações e, segundo seus advogados, deu esclarecimentos. Pouco antes das 10h, o médico chegou andando sozinho e foi cercado por jornalistas e câmeras. Em voz baixa, disse: “sou inocente”.

A juíza Angela Corvi aceitou o pedido do Ministério Público para a prisão domiciliar e justificou sua decisão dizendo reconhecer “graves indícios” de que Mosca cometeu homicídio doloso qualificado em pelo menos dois pacientes: Natale Bassi, 61, e Angelo Paletti, 79.

Mosca, segundo profissionais de saúde, pedia que alguém buscasse um ou os dois medicamentos e os aplicava quando estava sozinho. No caso do paciente Bassi, ele pediu que a equipe saísse da sala de emergência.

“Poucos minutos depois, a funcionária voltou, percebendo a morte de Bassi, naquele momento desacompanhado de membros da equipe. O óbito foi declarado pela doutora [nome omitido], que indicou no prontuário ‘repentina parada cardio-circulatória'”, diz o documento assinado pela juíza, com base na investigação.

No caso de Paletti, funcionários encontraram e fotografaram embalagens vazias dos fármacos na manhã seguinte à morte do paciente, ocorrida durante o plantão do médico suspeito. A investigação teve como ponto de partida a denúncia anônima de um dos enfermeiros, no fim de abril. Em princípio, foram alistadas quatro vítimas. Três corpos foram exumados -o quarto paciente foi cremado.

Canarana: chefe da Guarda Municipal morto em praça pública e carro incendiado; vídeo

O chefe da Guarda Municipal de Canarana, na região Norte, Fabrício Rocha, foi assassinado na principal praça do município, na manhã deste domingo (28/02). A vítima estava...

Rosa Weber determina que União volte a custear leitos de UTI na Bahia

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que o Ministério da Saúde volte a custear leitos de UTI para pacientes com Covid-19 nos estados...

Pesquisa brasileira avalia estresse em pacientes com covid-19

Pesquisadores da Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) realizaram uma pesquisa para avaliar os efeitos do estresse oxidativo em pacientes com quadro grave...

Pelo menos 18 morrem em Mianmar em dia mais sangrento de protestos

A polícia de Mianmar disparou contra manifestantes em todo o país neste domingo (28), no dia mais sangrento das semanas de protestos contra um golpe militar, e...