Câmara de Salvador aprova LOA com R$ 7,78 bi de receita para 2019

Com seis emendas, foi aprovada a Lei Orçamentária Anual (LOA), que estima receita e fixa despesas do Município para o exercício financeiro de 2019. O Projeto de Lei nº 275/2018, referendado no Plenário Cosme de Farias por 22 votos a 10, prevê uma receita R$ de 7,78 bilhões para Salvador.
Se as prioridades definidas pela administração municipal foram criticadas pelos oposicionistas, o aumento na capacidade de investimento e o crescimento gradativo da receita foram comemorados pelos vereadores integrantes da bancada da situação.

Ex-presidente da Comissão de Finanças, Orçamento e Fiscalização, o vereador Cláudio Tinoco (DEM), que voltou à Câmara nesta semana após experiência no Poder Executivo, enalteceu a organização financeira da gestão do prefeito ACM Neto.

“Estou de volta à Câmara num momento muito importante para a cidade, em que projetos importantes estão sendo votados. Tive a oportunidade de presidir o colegiado de Finanças desde 2013 e fico muito feliz em ver que, em tão pouco tempo, essa administração municipal conseguiu adquirir uma importante capacidade de arrecadação e investimento”, destacou Tinoco.
Autor das seis emendas incorporadas ao projeto, o atual presidente da Comissão de Finanças, vereador Tiago Correia (PSDB), também ressaltou o equilíbrio financeiro da gestão municipal. Elogiou, ainda, a condução do presidente da Câmara, vereador Leo Prates (DEM) e desejou sorte ao futuro gesto do Legislativo, vereador Geraldo Júnior (SD).

Prioridades questionadas

A bancada da oposição na Câmara questionou algumas das prioridades previstas na LOA. O bloco lamentou a incorporação de apenas seis das 99 emendas apresentadas ao projeto.
O vereador Hilton Coelho lamentou o que considerou “falta de debate com a população”, a diminuição de 80% nos investimentos para prevenção de doenças epidemiológicas e o investimento de R$ 30 milhões previstos para o Programa Pé na Escola.
Integrante da Comissão de Finanças, a vereadora Marta Rodrigues (PT) reclamou também dos investimentos previstos pela LOA. “Hilton Coelho falou muito bem da falta de prioridade na Saúde e na Educação. Lembro também o baixíssimo orçamento da Secretária de Política para Mulheres e para a Secretaria da Reparação. Esta é a matéria mais importante do ano e carecia de mais debates”, opinou.

Votaram contrários a LOA: Aladilce Souza (PCdoB), Ana Rita Tavares (PMB), Hélio Ferreira (PCdoB), Hilton Coelho (PSOL), José Trindade (Podemos), Luiz Carlos Suíca (PT), Marta Rodrigues (PT), Moisés Rocha (PT), Sílvio Humberto (PSB) e Toinho Carolino (Podemos).

Após a votação do orçamento, os vereadores da Câmara Municipal de Salvador, tradicionalmente, encerraram as atividades legislativas do ano de 2018.

Geraldo Júnior parabeniza gestão de Leo Prates

Após a aprovação da Lei Orçamentária Anual (LOA 2019), o presidente eleito para o próximo biênio na Câmara Municipal de Salvador, vereador Geraldo Júnior (SD), fez questão de parabenizar o presidente Leo Prates (DEM) pela conclusão da gestão à frente da Mesa Diretora. Ele ressaltou a postura democrática com que Prates conduziu as atividades da Casa, priorizando o entendimento e a busca do consenso entre as bancadas partidárias.
“Vai ser uma responsabilidade muito grande suceder a dois grandes presidentes, Leo Prates e Paulo Câmara. Desejo sucesso aos dois que partem agora para um novo desafio na Assembleia Legislativa”, frisou.

Consenso

Geraldo Júnior, que tomará posse na presidência da Câmara no dia 2 de janeiro, deixou claro que dará continuidade ao empenho de Leo Prates pela aproximação do Legislativo com a população: “Esta Casa estará sempre de portas abertas para o povo da nossa cidade”.
O futuro presidente ressaltou a independência do poder e o fato da chapa que liderou ter sido aprovada por consenso: “Não teremos interferência externa, esta Casa terá que ser ouvida, não como coadjuvante. E asseguro que na nossa gestão a oposição terá respeito, espaço e toda a oportunidade para exercer o contraditório”.